menu

Policial

08/11/2019


Ricardo Coutinho “Lula sai da prisão muito maior que entrou”

"Sem dúvida, foi a mais importante derrota do neo-fascismo que manipula desde consciências do Brasil até as instituições", diz ex-governador.

Por Redação
Portal WSCOM

O ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), presidente da Fundação João Mangabeira do PSB, comemorou a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no final da tarde desta sexta-feira (8), em Curitiba-PR. Pelas suas redes sociais, o socialista afirmou que a saída do líder maior do Partido dos Trabalhadores (PT) representa a maior derrota do chamado neo-fascismo brasileiro.

“O Lula sai da prisão muito maior do que entrou mesmo que isso, por si só, não resolva todos os problemas do País e até do campo progressista. Mas, sem dúvida, foi a mais importante derrota do neo-fascismo que manipula desde consciências do Brasil até as instituições. Que o Lula tenha consciência dessa encruzilhada e que possa ajudar a convergir as forças democráticas sem exclusivismos e hegemonismos. Todo democrata, todo brasileiro que ame o seu país, deve estar feliz com a libertação da maior liderança do País, condenado num processo manipulado e vergonhoso. Lula já está Livre. Cabe ao Povo, agora, libertar o Brasil”, postou Ricardo Coutinho em sua conta no Instagram.

O ex-presidente Lula, de 74 anos, que governou o país entre 2003 e 2010 foi solto depois de, na véspera, o Supremo Tribunal Federal (STF), decidir por 6 votos a 5 que não é possível iniciar o cumprimento da pena após condenação em segunda instância.

Lula cumpria pena de 8 anos e 10 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no processo do tríplex do Guarujá (SP), no qual já teve a condenação confirmada em três instâncias. Ele teria recebido o imóvel como propina paga pela empreiteira OAS em troca de contratos com a Petrobras.

Apesar da decisão do juiz federal Danilo Pereira Júnior, que determinou a soltura de Lula atendendo pedido da defesa do petista com base na decisão da véspera do Supremo, Lula segue inelegível, de acordo com a Lei da Ficha Limpa, por ter sido condenado por órgãos colegiados da Justiça —o TRF-4 e o STJ.