Política

João nega influência de Ricardo em seu governo e confirma anúncio de partido em 15 dias

24/01/2020


Foto: Francisco França

Por Wallyson Costa / Portal WSCOM

O governador João Azevêdo (sem partido) revelou nesta sexta-feira (24) que mantém conversas com a presidência nacional de um partido para fechar a sua filiação. A definição será feita ‘daqui a uns quinzes dias’, disse João.

“Essa próxima agremiação que irei definir nos próximos dias, estamos em conversas com a presidência nacional do partido para que a gente possa anunciar isso muito rapidamente”, disse à Correio Fm.

João revelou que irá convidar aliados para se filiarem à legenda. O governador confirmou que irá atuar ativamente nas eleições de 2020.

“Meu foco é administrativo, entretanto, por ser 2020 um ano eleitoral, de disputa pelas prefeituras vamos ter participação sim. Essa definição do partido talvez venha antes do que as pessoas esperam. Será bem antes de março, estaremos definindo a nossa posição em relação ao novo partido que eu integrarei. Para esse partido, iremos convidar os amigos que ajudaram a construir em 2018 essa campanha, aqueles que quiserem participar serão bem-vindos nesse novo momento. Sem imposição e tendo a real dimensão que ficará essa base vamos definir município a município onde iremos apresentar nomes e apoiar companheiros”, afirmou.

Calvário

Azevêdo declarou que não tem preocupação com o desenrolar da Operação Calvário. Ele reconheceu o papel do Ministério Público na condução das investigações e disse que seu propósito é manter o Estado ‘nos trilhos’.

“Não tenho essa preocupação. Tenho foco muito grande em relação à gestão. O povo da Paraíba me elegeu para fazer a gestão do Estado e tomar as medidas que às vezes não são agradáveis a todo mundo, mas que não tenho problemas de fazer”, pontuou.

Ricardo Coutinho

A influência do ex-governador Ricardo Coutinho no seu governo foi negada por João Azevêdo. O gestor cravou que apenas ele toma as decisões desde 1º de janeiro de 2019, e sinalizou que algumas das medidas tomadas por ele teriam desagradado algumas pessoas.

“Essa questão de ter influência pessoal com alguém, isso é uma relação pessoal. Eu digo no governo, evidentemente que não. A partir de 1º de janeiro de 2019 o governador sou eu, eu que decido e tomos as decisões, junto com a equipe toda, ninguém governa sozinho”, salientou.

 

 

 

 

 



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.