Paraíba

Gerente assassinada não estava grávida e morreu por choque hemorrágico, aponta laudo; vítima será enterrada no Espírito Santo

Laudo do IPC-PB revela que Mayara Barros foi atingida por três tiros, sendo um fatal no coração; corpo será velado em João Pessoa e sepultado em Vila Velha.


13/01/2024

Redação / Portal WSCOM

O laudo do Instituto de Polícia Científica da Paraíba (IPC-PB) sobre a morte de Mayara Valéria Barros, de 36 anos, gerente de um restaurante no Mangabeira Shopping, na Zona Sul de João Pessoa, foi divulgado neste sábado (13). Segundo o documento, assinado pelo médico legista Flavio Fabres, a causa do óbito foi choque hemorrágico por transfixação do pulmão esquerdo e coração.

O documento pericial detalha que Mayara foi atingida por três tiros, sendo um no abdômen, outro na coxa direita e um no tórax. O último perfurou o pulmão e o coração, resultando no choque hemorrágico que levou à sua morte. O laudo também atestou que a vítima não estava grávida, contrariando os boatos que circularam nas redes sociais.

Mayara foi assassinada na tarde desta sexta-feira (12) por Luiz Carlos Rodrigues, de 47 anos, que se irritou com a recusa de uma vaga de emprego no restaurante que ela gerenciava. O homem levou quase 50 munições de bala para o shopping e atirou seis vezes, sendo quatro contra Mayara. Ele foi preso em flagrante e será indiciado por homicídio consumado, com agravante de motivo fútil, tentativa de homicídio contra policiais e posse ilegal de arma de fogo.

O corpo de Mayara será velado em João Pessoa, num evento restrito à familiares e amigos da gerente na capital. Em seguida, o corpo será levado para a capital do Espírito Santo, Vitória. O sepultamento vai acontecer no domingo (14) no cemitério de Vila Velha, sua cidade natal.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
// //