Paraíba

Após críticas de setores oposicionistas, João diz que não está preocupado com reeleição: “minha obrigação agora é salvar vidas”

O chefe do Executivo paraibano deixou claro que não está preocupado com as eleições municipais deste ano e muito menos com a sua própria reeleição, em 2022, e que a sua obrigação como gestor priorizar vidas

31/05/2020


Na imagem o governador do Estado, João Azevêdo

Portal WSCOM



“Minha obrigação agora é salvar vidas”. Foi assim que o governador da Paraíba João Azevêdo respondeu, neste domingo (31), através de suas redes sociais, as críticas de oposicionistas ao decreto nº 40.289 que institui o isolamento social rígido em João Pessoa e nos municípios de Cabedelo, Santa Rita, Bayeux, Conde, Caaporã, Alhandra e Pitimbu. O chefe do Executivo paraibano deixou claro que não está preocupado com as eleições municipais deste ano e muito menos com a sua própria reeleição, em 2022, e que a sua obrigação como gestor é priorizar vidas.

A declaração do governador, que fará live às 18h de hoje para explicar o plano de retomada da economia no Estado, foi de encontro a setores que estão se opondo às medidas restritivas de deslocamento adotadas na região metropolitana de João Pessoa pelo Governo do Estado, junto com os prefeitos das oito cidades que concentram mais de 70 por cento dos casos de Covid-19 em todo território paraibano.

“Nós tomamos as medidas corretas com base em dados científicos e motivados pelo crescimento vertiginoso da propagação do vírus em toda essa região. E não em posicionamentos políticos, ideológicos, mercadológicos ou eleitoreiros. Tem gente que tem interesses próprios de mercado ou já armou o palanque para disputas de prefeitos e vereadores e professam a abertura irresponsável – em um momento que a doença está em uma curva ascendente – sem preocupar-se com vidas humanas e com o colapso no sistema de saúde pública e privada que isso poderia causar neste momento”, afirmou o governador.

João Azevêdo disse que tomou todas as medidas necessárias para combater o vírus no momento certo e é por isso que a Paraíba, ao contrário de outras localidades, não entrou em colapso e ninguém deixou de ser atendido ou veio a óbito por falta de estrutura hospitalar até hoje.

“Nós ja entregamos um hospital em Santa Rita e nesta semana estamos inaugurando mais dois, um em João Pessoa e outro em Campina Grande. Disponibilizamos 816 leitos só para a Covid dentro do nosso Plano nas redes estaduais e municipais de saúde, com a contratação de 3.525 profissionais convocados para garantir o funcionamento desses leitos. Adquirimos EPIs para os agentes de saúde e segurança, mais de 3 milhões de máscaras para a população e quase meio milhão de testes, tornando a Paraíba, proporcionalmente, um dos estados que mais testa sua população”, informou o governador do Estado.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.