Política

Votos antecipados já somam 21 milhões e eleição nos EUA pode bater recorde de participação

Número atingido nesta sexta (16) já representa 15% de todos os votos da eleição de 2016, embora oito estados ainda não tenham divulgado seus totais. Previsão é de que recorde de 150 milhões possa ser batido, tornando participação maior do que em qualquer eleição presidencial desde 1908.

18/10/2020


Eleitores votam antecipadamente na Biblioteca Pública de Nashville, no Tennessee, na quarta-feira (14) — Foto: Brett Carlsen/Getty Images/AFP

G1

Quase 21 milhões de americanos já votaram nas eleições de 2020, uma avalanche recorde de votos antecipados.

Os 20,8 milhões de votos apresentados até a tarde de sexta-feira (16) já representam 15% de todos os votos da eleição presidencial de 2016, embora oito estados ainda não tenham divulgado seus totais e os eleitores ainda tenham mais de duas semanas para votar.

A pressa dos americanos para votar está levando os especialistas em eleições a prever que um recorde de 150 milhões de votos pode ser batido e as taxas de participação podem ser maiores do que em qualquer eleição presidencial desde 1908.

“É uma loucura”, disse à agência Associated Press Michael McDonald, um cientista político da Universidade da Flórida que há muito acompanha a votação para seu site ElectProject.org. A análise do McDonald’s mostra que cerca de 10 vezes mais pessoas já votaram em comparação com este ponto em 2016.

“Podemos ter certeza de que essa será uma eleição de grande participação”, disse McDonald.

Eleitores aguardam em fila para votar em Doral, na Flórida, na quarta-feira (14) — Foto: Joe Raedle/Getty Images/AFP

Eleitores aguardam em fila para votar em Doral, na Flórida, na quarta-feira (14) — Foto: Joe Raedle/Getty Images/AFP

 

Até agora, o comparecimento foi desigual, com os democratas vencendo os republicanos por uma proporção de 2 a 1 nos 42 estados incluídos na contagem da Associated Press. Os republicanos têm se preparado para essa vantagem democrata inicial há meses, enquanto observam o presidente Donald Trump criticar as cédulas pelo correio e levantar preocupações infundadas sobre fraudes.

A votação, e agora a votação antecipada, sugere que a retórica desviou as bases de seu partido de um método que, tradicionalmente, eles dominavam.

Isso dá aos democratas uma vantagem tática na reta final da campanha. Em muitos estados onde a batalha é crítica, os democratas “acumularam” uma parte de seus eleitores e podem destinar seu tempo e dinheiro a eleitores pouco frequentes, mais difíceis de conquistar.

Mas isso não significa necessariamente que os democratas vão liderar em votos no momento em que as cédulas forem contadas. Ambos os partidos antecipam uma onda de votos republicanos no dia da eleição que pode, em questão de horas, mudar drasticamente a dinâmica.

Material de eleição presidencial é mostrado online em Los Angeles, Califórnia — Foto: Rodin Eckenroth/Getty Images/AFP

Material de eleição presidencial é mostrado online em Los Angeles, Califórnia — Foto: Rodin Eckenroth/Getty Images/AFP

 

“Os números dos republicanos vão aumentar”, disse John Couvillon, um pesquisador do Partido Republicano que acompanha a votação antecipada. “A questão é em que velocidade e quando?”

Couvillon disz que os democratas não podem descansar em sua liderança, mas os próprios republicanos estão fazendo uma grande aposta. Vários fatores, desde o aumento de infecções pelo coronavírus até o clima, podem afetar a participação pessoal no dia da eleição. “Se você está colocando toda a sua fé em um dia de votação, é um risco muito alto”, diz o pesquisador.

É por isso que, apesar da retórica de Trump, sua campanha e partido estão incentivando seus próprios eleitores a votarem pelo correio ou antecipadamente e pessoalmente.

A campanha, que tem enviado voluntários e funcionários ao campo por meses apesar da pandemia, anuncia um aumento no registro de eleitores em estados decisivos como Flórida e Pensilvânia – uma reversão brusca do padrão usual à medida que a eleição presidencial se aproxima.

Mas ela teve sucesso limitado em vender a ideia do voto não presencial. Em estados decisivos, os republicanos continuam muito menos interessados em votar pelo correio.

Eleitores aguardam em fila para votar em Black Mountain, na Carolina do Norte, na quinta-feira (15) — Foto: Brian Blanco/Getty Images/AFP

Eleitores aguardam em fila para votar em Black Mountain, na Carolina do Norte, na quinta-feira (15) — Foto: Brian Blanco/Getty Images/AFP

 

Na Pensilvânia, mais de três quartos das mais de 437 mil cédulas enviadas pelo correio até agora foram de democratas. Na Flórida, metade de todas as cédulas enviadas pelo correio até agora foram de democratas e menos de um terço delas de republicanos.

Mesmo no Colorado, um estado onde todos os eleitores recebem uma cédula e os republicanos geralmente dominam a primeira semana de votação, apenas 19% das cédulas devolvidas são de republicanos.

“Tudo isso é encorajador, mas três semanas é uma vida inteira”, disse o estrategista de dados democrata Tom Bonier sobre os números da votação.

Francina Fountain se registra para votar em Orlando, na Flórida, em foto de 22 de setembro — Foto: Joe Burbank/Orlando Sentinel via AP

Francina Fountain se registra para votar em Orlando, na Flórida, em foto de 22 de setembro — Foto: Joe Burbank/Orlando Sentinel via AP

A enorme quantidade de votos ocorreu sem nenhuma dos conflitos violentos nos locais de votação que alguns ativistas e policiais temiam.

Aconteceram erros graves – 100 mil cédulas de correio com defeito enviadas em Nova York, 50 mil em Columbus, Ohio, e um fornecedor que abastece aquele estado e Pensilvânia, culpando os atrasos no envio das cédulas devido à demanda esmagadora. Mas há poucas evidências da paralisação em massa que alguns temiam quando os escritórios eleitorais tiveram que mudar abruptamente para lidar com o influxo de votação antecipada.

Mas tem havido filas extraordinárias e tempos de espera de horas na Geórgia, Texas e Carolina do Norte desde que esses estados abriram a votação presencial. Os atrasos foram em grande parte resultado de recursos insuficientes para lidar com o aumento, algo que os defensores afirmam ser uma forma de repressão aos eleitores.

Os republicanos argumentam que esses sinais de entusiasmo não fazem sentido – os primeiros eleitores democratas são pessoas que teriam votado de qualquer maneira, dizem eles. Mas uma análise da AP sobre a votação antecipada mostra que 8% dos eleitores iniciais nunca haviam votado antes e 13,8% votaram na metade ou menos das eleições anteriores para as quais eram elegíveis.

Votos pelos correios

Os dados também mostram que os eleitores estão adotando a votação por correspondência, que as autoridades de saúde dizem ser a maneira mais segura de evitar a infecção por coronavírus durante a votação. Dos primeiros eleitores, 82% votaram pelo correio e 18% pessoalmente.

Os eleitores negros votam em 10% das cédulas, quase o mesmo que sua participação no eleitorado nacional, de acordo com a análise de dados da AP da L2, uma empresa de dados políticos. Isso é um sinal de que esses eleitores, que têm menos probabilidade de votar pelo correio do que os brancos e latinos, aceitaram o método.

Até o momento, as cédulas pelo correio se voltaram para os eleitores mais velhos, com metade vindo de eleitores com mais de 64 anos. Tradicionalmente, os eleitores mais jovens enviam suas cédulas por correio mais perto do dia da eleição ou votam pessoalmente.

Presidente americano, Donald Trump, e o ex-vice-presidente Joe Biden durante o primeiro debate presidencial, em 29 de setembro, em Cleveland, Ohio  — Foto: Patrick Semansky/AP

Presidente americano, Donald Trump, e o ex-vice-presidente Joe Biden durante o primeiro debate presidencial, em 29 de setembro, em Cleveland, Ohio — Foto: Patrick Semansky/AP

 

As cédulas de correio já devolvidas em vários estados superam o total das eleições anteriores. Em Wisconsin, mais de cinco vezes mais votos por correspondência foram enviados em comparação com o número inteiro em 2016. A Carolina do Norte viu quase o triplo do número até agora.

A votação antecipada presencial começou esta semana em vários estados importantes e também quebrou recordes, principalmente em áreas metropolitanas populosas com tendência democrata. No Texas, o condado de Harris, em Houston, viu um recorde de 125 mil votos. Na Geórgia, filas de horas de duração se estendiam dos escritórios eleitorais por muitas das áreas urbanas do estado.

Tunde Ezekiel, um advogado de 39 anos e democrata que votou no início de Atlanta na quinta-feira, disse que queria ter certeza de que teria a chance de destituir Trump do cargo: “Não sei como as coisas vão ficar no Dia de eleição. … E eu não queria correr nenhum risco”.

O entusiasmo óbvio entre os democratas animou os membros do partido, mas eles observam que é difícil dizer em que direção o comparecimento acabará caindo. Os republicanos podem estar igualmente motivados, mas reservando-se para o dia da eleição.

“A alta participação pode beneficiar ambos os lados”, disse Bonier.


Em respeito a Legislação Eleitoral, os comentários estão temporariamente suspensos.