Paraíba

Vital diz que a Paraíba é um estado engessado

Críticas


30/03/2013



 A falta de uma política de desenvolvimento para os Estado por parte do governador Ricardo Coutinho foi motivo de lamentação do senador Vital do Rêgo (PMDB). Segundo o parlamentar, falha acontece apesar da Paraíba receber recursos volumosos do Governo Federal graças à atuação da bancada federal e do seu esforço nas diversas comissões que integra. Ainda de acordo com Vital, isso deixa a Paraíba refém dos nossos estados vizinhos.

O senador destaca que as obras hoje executadas na Paraíba são frutos do governo federal e do aumento da peça orçamentária do Estado. Vital relembrou que, na condição de presidente da Comissão Mista do Orçamento (CMO), conseguiu aumentar em 20% o orçamento do Estado que foi executado o ano passado. Para este ano, o senador conseguiu assegurar juntamente com a bancada federal paraibana R$ 2,8 bilhões para investimentos, o que representa o quarto maior volume da região Nordeste, juntamente com o Maranhão. Em 2014, a expectativa é que os valores ultrapassem os R$ 3 bilhões e cheguem aos R$ 6 bilhões.

Apesar deste volume de recursos o senador paraibano assegura que o Estado continua engessado no tocante a um planejamento estadual para melhorias, na saúde, segurança, educação e ao combate à seca. Para o peemedebista o próprio secretário de Segurança Pública, Cláudio Lima veio a público confirmar o caos que se encontra a segurança pública na Paraíba. "Nós precisamos dar uma resposta melhor, somos conscientes disso", afirmou o secretario há poucos dias na mídia estadual.

O congressista ressalta ainda que só para a educação só este ano será disponibilizado R$ 1,2 bilhão. Na Saúde, do total de R$ 982,4 milhões destinados aos programas dessa área no Estado, aproximadamente R$ 519,6 milhões serão utilizados no programa de assistência hospitalar e ambulatorial. Entre outras ações, são desenvolvidas atividades relacionadas à atenção à saúde da população para procedimentos em média e alta complexidade, ambulatorial e hospitalar. "Desta forma recursos nos alocamos para o Estado, o que falta é planejamento estadual. As obras que ainda existem, são oriundas do governo federal que tem a força da presidente Dilma. Tem a presença de nosso governo. Não tem uma obra no Estado que não tenha a força da presidente Dilma, mesmo o governador tentando esconder a parceria federal que as financia", disse Vital.

O parlamentar peemedebista tem criticado a carência de obras de infraestrutura e se fixa, especialmente, no capítulo das ações de combate à estiagem: "Seu governo destinou apenas R$ 650 mil para a área de combate à seca, gestão de recursos naturais e contra a desertificação. É uma verba irrisória, ridícula. O governador está menosprezando quem está clamando para construir uma estrutura para combater os efeitos da Seca. Quando a Paraíba elegeu Ricardo Coutinho, esperava que ele fizesse algo de novo. Mas, o que vemos é um governo que gasta quase R$ 36 milhões com mídia, isso é algo lamentável", afirmou o senador onde lembra que amanhã comemorasse o Dia de São José. Se chover nessa data, para os sertanejos, haverá um bom inverno. A perspectiva, conforme meteorologistas da Aesa, no entanto, é de que este ano a estação seja de poucas chuvas.

Ações da Funasa

Segundo Veneziano, na ausência de ações próprias, o Governo do Estado tem se apropriado de ações do Governo Federal para tentar criar uma imagem de que tem atuado para minimizar os efeitos da estiagem. Ele citou o caso das ordens de serviço e das ações de saneamento anunciadas pelo governador no último final de semana, no Cariri paraibano.

"O governador deveria ter, pelo menos, a humildade de dizer que foi ao Cariri para anunciar iniciativas de saneamento que são do Governo Federal, através da Funasa. O que ele tem feito é cortesia com o chapéu alheiro, tem se aproveitado das ações federais para fazer, simplesmente, política".

Outra falta de planejamento e articulação do chefe do executivo estadual lembrada por Veneziano Vital é referente à revitalização do Porto de Cabedelo, pois apesar do governador ser do PSB e o secretário Nacional dos Portos também ser e já ter anunciado um programa de restruturação dos portos do Brasil, a Paraíba ficou de fora desta importante ação.

Vital lembra que o próprio secretário estadual de Planejamento, Gustavo Nogueira, confirmou em recente entrevista a mídia paraibana que o Estado está aquém de obras estruturantes. "à Paraíba necessita de mais obras estruturantes, a exemplo da revitalização do Porto de Cabedelo", disse o secretário, atentando a falta de planejamento da gestão.

2012- Entre os 26 Estados e o Distrito Federal, a Paraíba ficou em 12º lugar no país e no 5 º do Nordeste em volume de recursos transferidos do governo federal em 2012. No total, a União repassou mais de R$ 7,1 bilhões, sendo R$ 3,25 bilhões para o governo do Estado e R$ 3,86 bilhões para as prefeituras.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
// //