Paraíba

Universidade Federal da Paraíba desenvolve álcool em gel mais barato

Substância apresenta boas viscosidade e estética e tem coloração transparente

08/07/2020


Produto é o mais adequado para acender churrasqueira e não serve para evitar contágio pelo novo coronavírus. Foto: Autor desconhecido

Portal WSCOM



Pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) desenvolveram álcool em gel para churrasqueira 37% mais barato. A substância apresenta boa viscosidade, mostra-se esteticamente apreciável, com uma coloração transparente e tempo de queima superior aos álcoois disponíveis no mercado.

O produto foi criado no Laboratório Piloto de Química Industrial do Centro de Tecnologia, em João Pessoa, pelos pesquisadores Elciane Nóbrega, Francikelly Carneiro, Ivaldo Araújo, Maria Rayanne, Paulo Romero e Riann Nóbrega. O depósito da patente já foi requerido junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi).

De acordo com o estudante do curso de mestrado em Engenharia Química da UFPB, Riann Nóbrega, o trabalho do grupo teve início através de observações experimentais no desenvolvimento de novas formulações de álcool em gel para queima.

“Inicialmente, o principal objetivo era otimizar a formulação e tornar o custo unitário competitivo. Para isso, o Hidroxietil-Metilcelulose – HEMC (éter celulósico) – adaptou-se perfeitamente como agente gelificante, o que possibilita uma redução de custos em relação à produção com o carbopol”, explica Riann.

Segundo dados do experimento da UFPB, o álcool em gel obtido tem uma aplicação significativa, por ser sintetizado através de éter celulósico, que substitui o carbopol. Há manutenção da eficiência na queima e diminuição do custo de fabricação.

“A utilização de porcentagens altas do HEMC elevou o PH do sol gerado. Deslocou-se a carga do ponto de zero, carregando a superfície da partícula negativamente e favorecendo a estabilização. Foi necessário o acompanhamento da viscosidade para atestar o sistema estável. O controle de PH tem de ser rigoroso”, argumenta Riann.

Os pesquisadores da UFPB afirmam que possuem um projeto industrial desenvolvido, que incluem reator e outros suportes. No entanto, a produção ainda está parada diante de trâmites burocráticos e de falta de parcerias. Quem tiver interesse em realizar a produção em larga escala do álcool em gel, deve entrar em contato pelo telefone (83) 99920.2445 ou pelo e-mail [email protected].



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.