Justiça

STJ mantém prisão de ex-diretor de presídio suspeito de envolvimento em esquema de liberação de detentos

Ministro do Supremo citou as evidências obtidas durante a investigação e considerou que não era possível deliberar liminarmente sobre o pedido de revogação da prisão preventiva


13/05/2024

Presídio Regional de Cajazeiras (Foto: Secom-PB)

Portal WSCOM



O ministro Antônio Saldanha Palheiro, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), decidiu manter a prisão preventiva de Tales Alves de Almeida, ex-diretor do Presídio Regional de Cajazeiras. Almeida foi alvo de uma operação conjunta do Ministério Público da Paraíba, Polícia Civil, Secretaria de Administração Penitenciária e Polícia Militar no mês passado, sob suspeita de participação em um esquema de liberação de detentos.

Após a operação, Tales Alves de Almeida foi exonerado do cargo. A defesa do ex-diretor argumentou ao STJ que sua prisão era ilegal, afirmando que não havia justificativa pessoal para tal medida.

Entretanto, o ministro citou as evidências obtidas durante a investigação e considerou que não era possível deliberar liminarmente sobre o pedido de revogação da prisão preventiva. Ele destacou a necessidade de uma análise mais detalhada dos elementos de convicção presentes nos autos, a ser realizada durante o julgamento definitivo.

“Mostra-se imprescindível uma análise mais minuciosa dos elementos de convicção constantes dos autos, o que ocorrerá por ocasião do julgamento definitivo”, disse o magistrado.

 



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.