Policial

Sobe para 22 o número de mortos em chacina no Complexo da Penha, no Rio de Janeiro

Desde às 5h da manhã de hoje (24), agentes do BOPE e PRF realizam incursão repleta de letalidade e relatos de abuso de poder


24/05/2022

WSCOM com g1

Ao menos 22 pessoas morreram durante uma operação policial na Vila Cruzeiro, na Penha, na Zona Norte do Rio, nesta terça-feira (24). A ação começou de madrugada e, segundo a Polícia Militar, foi encerrada por volta das 16h40.

Segundo a PM, entre os 22 mortos:

  • 12 eram suspeitos;
  • e 1 era uma moradora da região – identificada como Gabrielle Fereira da Cunha, de 41 anos, ela levou um tiro e morreu na entrada da Chatuba, que fica ao lado da Vila Cruzeiro.

Até as 16h desta terça, os outros nove mortos não haviam sido identificados.

Entre os feridos, estão:

  • 2 homens considerados suspeitos pela polícia (eles foram baleados e encaminhados ao Hospital Getúlio Vargas, onde passaram por cirurgia);
  • 1 uma mulher que estava lúcida e foi levada na tarde desta terça ao hospital pela Polícia Rodoviária Federal;
  • 1 homem com ferimento na barriga que foi levado inconsciente ao hospital também pela Polícia Rodoviária;
  • e 1 policial civil, identificado como Sérgio Silva Rosário, que foi ferido no rosto por estilhaços de bala enquanto fazia perícia no local – ele passa bem.

Segundo a PM, agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF) foram atacados a tiros quando iniciavam uma “operação emergencial” na comunidade.

O objetivo era prender chefes do Comando Vermelho escondidos na Vila Cruzeiro. A polícia afirma que lideranças da facção em outras favelas do Rio — como Jacarezinho, Mangueira, Providência e Salgueiro (São Gonçalo) — e até de estados do Norte e do Nordeste também estão abrigados na Penha.

Em fevereiro, outra operação conjunta das polícias Militar e Rodoviária Federal (PRF) na Vila Cruzeiro deixou pelo menos oito mortos.

Moradores disseram que começaram a ouvir tiros às 4h. Houve relatos também de tiros no Complexo do Alemão, onde bandidos tentavam usar uma estrada de terra como rota de fuga.

“Quatro horas da manhã começou operação aqui na Vila Cruzeiro. Muito tiro, mas muito tiro mesmo. Os policiais do Bope entraram aqui com vários carros. E a bala tá comendo”, afirmou um morador.

Um helicóptero blindado da PM dava apoio aos agentes em terra. Os confrontos se concentravam na parte alta da Vila Cruzeiro, perto de uma área de mata.

Policiais apreenderam 13 fuzis, quatro pistolas, doze granadas e uma quantidade grande de drogas, que não havia sido contabilizada até a última atualização desta reportagem. Dez carros e vinte motos foram recuperados.

Treze escolas da rede municipal dos complexos da Penha e do Alemão precisaram ficar fechadas devido ao confronto, segundo a Secretaria Municipal de Educação.

A chacina policial no Complexo da Penha causou a segunda maior letalidade em operação de agentes de segurança pública na cidade do Rio de Janeiro, menor apenas que a chacina de Jacarezinho, a mais violenta da história dos agentes de segurança pública, que completou um ano no início deste mês.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.