Política

Sandra Marrocos anuncia nesta quarta filiação ao Podemos com apoio à candidatura de Ruy Carneiro


03/04/2024



Por Walter Santos

A ex-vereadora Sandra Marrocos anuncia nesta quarta-feira, 3 de abril, sua filiação ao partido Podemos e, consequentemente, seu apoio político à candidatura do deputado federal Ruy Carneiro à Prefeitura de João Pessoa. Nesta entrevista ela revela causas e efeitos desta sua decisão.

WSCOM – Procede a informação de possível filiação sua ao Podemos, partido liderado por Ruy Carneiro?

SANDRA MARROCOS – Como é de conhecimento público, fui retirada da direção do PSB de João Pessoa de forma violenta, desrespeitosa, sem aviso prévio, no dia 3 de abril de 2023, há exatamente 1 ano. Fui substituída pelo atual presidente, fato que fiquei sabendo pela imprensa momentos antes de começar a reunião ampliada para discutir sobre a posição do partido nas eleições 2024. A forma como essa decisão foi tomada tornou insustentável minha permanência no PSB. Importante destacar que, com exceção das Secretária Nacional de Mulheres do PSB, à época, não houve nenhuma manifestação pública de solidariedade e de contraponto ao processo truculento que acabava de acontecer comigo no PSB.

WSCOM – Como foi construir os desdobramentos?

SANDRA MARROCOS – Desde então, começamos, eu e o coletivo Povo de Luta, que constrói comigo o nosso caminhar político, a conversar sobre a necessidade de uma nova legenda, que considera sobretudo a falta que o nosso mandato faz à cidade de João Pessoa. Assim, colocamos como prioridade o retorno do mandato que representei para a câmara municipal de João Pessoa.

Para minha surpresa, fui procurada pelo deputado Ruy Carneiro, que hoje se apresenta mais uma vez como pré-candidato a prefeito de João Pessoa. Passamos a conversar de forma frequente e respeitosa. Foram muitos diálogos, e deixei explícito desde o início que para onde decidíssemos ir, nossa pauta de luta em defesa das mulheres, da população LGBTQIA+, de negras e negros e, principalmente, das pessoas em situação de pobreza estariam comigo na fala e atitude política, ao que não houve qualquer objeção por parte de Ruy. Fui acolhida com muito respeito, o mesmo que me faltou no PSB de João Pessoa, não só por Ruy, mas também pela Presidenta Nacional do partido, deputada Renata Abreu.

WSCOM – Quando será anunciado?

SANDRA MARROCOS – Anuncio hoje, 3 de abril de 2024, no dia que completa um ano da violência política sofrida por mim no PSB de João Pessoa, em carta aberta intitulada “SAUDAÇÕES A QUEM TEM CORAGEM, pois é exatamente o que a vida quer da gente, e essa NUNCA me faltou!” que te encaminho na íntegra a seguir.

WSCOM – Por que a opção deixando a Esquerda?

SANDRA MARROCOS – Eu não estou deixando a esquerda, só não irei disputar essas eleições numa sigla tradicionalmente da esquerda, pois para mim, ser de esquerda vai muito além de uma sigla partidária. Ser de esquerda representa defender, construir e acreditar em um “Projeto de Sociedade”. Portanto, com a atual conjuntura local há duas prioridades: 1) maximizar a possibilidade do meu retorno à Câmara Municipal; 2) contribuir com uma discussão à esquerda na pré-candidatura de Ruy Carneiro. Reafirmo, onde eu estiver as pautas que defendo estarão comigo, e sempre estarei ao lado das mulheres, da população LGBTQIA+, de negras e negros e todas as lutas que objetivamente seguem na construção de uma João Pessoa mais justa e igualitária.

WSCOM – Como conviverás com o patrulhamento ao sair de uma legenda da Esquerda?

SANDRA MARROCOS – De mente aberta, coração leve, pronta e preparada para construção de uma cidade justa e humana, onde a diversidade tenha fluidez de pautas e as pessoas em situação de pobreza tenham possibilidade de um futuro melhor. O PODEMOS atualmente discute e constrói uma possibilidade de federação com outros partidos que podem somar numa visão mais à esquerda. Então a política é muito dinâmica e nós temos clareza do nosso papel na cidade de João Pessoa, então esta decisão é em função da vida pública em prol das pessoas da cidade que precisam do nosso mandato.

WSCOM – E quanto à repercussão do fato?

SANDRA MARROCOS – Eu tenho consciência que algumas pessoas podem não entender minha movimentação, porém é importante lembrar que isso sequer é novidade no nosso contexto local, já que muitas vezes a esquerda esteve ao lado de candidaturas fora do seu campo. Nós tivemos em 2010 a candidatura de Cássio na chapa de Ricardo, em 2012 nós tivemos a candidatura de Estela e Efraim, em 2016 tivemos Cida e Wilson Filho e em 2018 tivemos a candidatura de senador pelo PSB encabeçado por Veneziano. Por que de repente, minha decisão é um grande estranhamento para a esquerda? Destaco que Ruy me procurou sabendo exatamente no que acredito e quais são minhas pautas, a construção é de respeito mútuo.

WSCOM – Conceitualmente pode haver conflitos ou não?

SANDRA MARROCOS – De outro modo, na nova sigla podem existir e existirão pessoas que pensam diametralmente oposto a mim, mas isso é quase sempre a regra em todas as disputas que tive à câmara municipal. Em 2008 as pessoas eleitas foram: Eu, Bira, Edmilson Soares e Durval Ferreira; em 2012: Bruno Farias, Bira, Zezinho do Botafogo, Professor Gabriel e Renato; em 2016: Léo Bezerra, Tanilson Soares, Tibério Limeira e Eu. Com algumas exceções, vocês reconhecem esses nomes como sendo da esquerda? Esses nomes são desvinculados de famílias tradicionais da Paraíba? E nesse contexto éramos nós (a esquerda) que detínhamos o “poder” de decisão e, mesmo assim, optamos pelo caminho do pragmatismo.

WSCOM – Parece tudo pragmatismo puro…

SANDRA MARROCOS – Dado a natureza do nosso sistema eleitoral e como funciona o voto de legenda, mais do que nunca se faz necessário ser pragmática. O meu contexto de 2020 é o mais educativo nesse sentido, vou fazer uma pequena recapitulação, muito resumida, do que aconteceu à época. Ricardo e o então governador rompem, eu decido ficar do lado de Ricardo porque era o certo a se fazer. Em decorrência de toda fragilidade que o PSB tinha à época, foi inviável montar uma chapa proporcional competitiva, nenhuma candidatura do PSB foi eleita para a câmara. Antecipando a desorganização do partido, completamente esperada, decidi me candidatar pelo PT.

WSCOM – Qual a realidade da época?

SANDRA MARROCOS – Naquele momento o PT contava com duas vereanças Marcos e Eu. Acho que o consenso no campo da esquerda era que ambas as candidaturas pudessem voltar à câmara, mas dado a natureza do sistema de legendas entramos em um cenário em que a eleição de Sandra significaria automaticamente a não eleição de Marcos e vice-versa. Isso é saudável para esquerda? É estratégico? É necessário? Não, não e não. Toda essa recapitulação foi necessária para que as pessoas que me acompanham possam entender que é necessário ocupar os espaços, minha eleição para a câmara é importante e para isso preciso ser pragmática. Preciso somar com as pessoas que me respeitam e oferecem um diálogo aberto e um espaço competitivo – essa pessoa é Ruy Carneiro.

WSCOM – Sua postura é de oposição a Cícero? E os nomes da esquerda?

SANDRA MARROCOS – Minha postura será de defesa e construção da pré-candidatura do deputado Ruy Carneiro, o nome do partido para disputar a prefeitura de João Pessoa, o qual acredito estar preparado para a mudança nessa amada cidade, e o qual acolherá o Povo de Luta, com suas pautas e bandeiras. Nós, e aqui me refiro ao projeto encabeçado pelo pré-candidato Ruy Carneiro, estamos completamente abertos a somar com qualquer pessoa que queira participar. A porta para a esquerda está aberta e é necessário ocupar os espaços.

No mais, sigamos em frente e vamos à luta, João Pessoa.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
// //