menu

Futebol

30/01/2013


Ronaldo pede à imprensa que 'abrace'

Copa

 Anunciado como um dos embaixadores da Copa do Mundo de 2014 no Brasil e membro do conselho do Comitê Organizador Local (COL), Ronaldo vestiu a camisa do Mundial no País. A ponto de repetir os discursos otimistas dos cartolas da CBF e dos políticos e pedir para que a imprensa pare de “bater” nos preparativos para o evento.

Para o Fenômeno, chegou a hora de a imprensa “se unir” ao povo brasileiro e começar a elogiar a preparação do País para o Mundial de 2014 e parar de olhar o “lado ruim”.

— A gente está vendo as coisas acontecendo. Estamos vendo os estádios saírem do chão, ficarem prontos, o planejamento sair de acordo com o planejado. Está na hora, realmente, de a imprensa entrar no entusiasmo do povo, pois o povo está acreditando, está vendo as coisas acontecerem. É hora de todo mundo estar junto, pois todos somos brasileiros e ninguém quer que a Copa do Mundo no Brasil seja um fracasso.

Sentado à mesa ao lado de José Maria Marin, presidente da CBF, e Jerome Valcke, secretário-geral da Fifa, em entrevista coletiva no Rio de Janeiro, Ronaldo manteve a polidez até mesmo ao falar das polêmicas sobre a entidade máxima do futebol.

Na terça-feira (29), a revista France Football, da França, divulgou matéria na qual afirma que a Copa do Mundo de 2022, no Qatar, teria sido comprada. O Fenômeno não quis polemizar.

— Eu vivo futebol há muito tempo. Uma coisa é ter uma prova concreta de um fato, outra é especulação. A gente precisa ter esse cuidado para passar isso para o povo, pois o povo é carente de notícias boas, de alegrias. Vivemos de corrupção e de tragédias. Precisamos de coisas boas, e a Copa do Mundo é uma coisa boa.

Sobre o assunto, Jerome Valcke não quis se estender, mas afirmou que existe um comitê ético da Fifa que deverá apurar as denúncias.

— Ainda não conversei com o Blatter, o verei amanhã [quinta-feira] em Zurique. Já li o artigo, mas, mais uma vez, se há qualquer coisa que precisa ser investigado, o novo comitê ético da Fifa vai abrir se quiser um inquérito sobre o assunto. O comitê é independente e apura se algo de errado com a família do futebol ocorreu.