Educação

Professor mais votado da Ufersa relata ‘golpe’ de Bolsonaro na indicação de terceira colocada para Reitoria

O mais votado da lista tríplice, professor Rodrigo Codes, relatou, por meio das redes sociais, que a escolha de Bolsonaro foi um 'golpe na instituição', apontado que ele foi eleito pela maioria e de forma democrática

23/08/2020


Na imagem o professor Rodrigo Codes, eleito pela maioria na composição da lista tríplice

Portal WSCOM

Após o anúncio do presidente Jair Bolsonaro na última sexta-feira (21), do nome da professora Ludimilla Oliveira, que ficou na terceira colocação, para ser a nova reitora da Universidade Federal do Semi-Árido (Ufersa), o mais votado da lista tríplice, professor Rodrigo Codes, relatou, por meio das redes sociais, que a escolha de Bolsonaro foi um ‘golpe na instituição’, apontado que ele foi eleito pela maioria e de forma democrática.

Segundo ele, “o resultado de um processo democrático construído por meio de amplos diálogos e participação de todos os segmentos da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, a nossa UFERSA, o processo de sucessão à Reitoria da Instituição foi encerrada ontem, 21 de agosto de 2020, da forma menos esperada pela comunidade acadêmica, causando perplexidade e lamentações”.

Ainda de acordo com Rodrigo, a nomeação da terceira colocada da lista tríplice, que somou apenas 18% dos votos da comunidade, para gerir a UFERSA no período 2020-2024, “solapou o que essa mesma comunidade expressou através da consulta. Não nos cabe dizer, por óbvio, e como é amplamente sabido, que o ato de nomeação foi ilegal ou que não existe a prerrogativa presidencial”.

Confira a nota divulgada pelo professor Rodrigo na íntegra:

Resultado de um processo democrático construído por meio de amplos diálogos e participação de todos os segmentos da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, a nossa UFERSA, o processo de sucessão à Reitoria da Instituição foi encerrada ontem, 21 de agosto de 2020, da forma menos esperada pela comunidade acadêmica, causando perplexidade e lamentações.
Em cumprimento de agenda na cidade de Mossoró e região, o Presidente da República anunciou a nomeação da terceira colocada da lista tríplice, que somou apenas 18% dos votos da comunidade, para gerir a UFERSA no período 2020-2024, solapando o que essa mesma comunidade expressou através da consulta. Não nos cabe dizer, por óbvio, e como é amplamente sabido, que o ato de nomeação foi ilegal ou que não existe a prerrogativa presidencial.
Todavia, ressalte-se, não se pode deixar de mencionar que o ato representa um desrespeito flagrantemente a deliberação das categorias ufersianas, manifestada por meio do voto na consulta, quanto à condução da Universidade durante os próximos quatro anos.
Embora existam os dispositivos legais, a esfera ética não pode ser desconsiderada e os valores democráticos, tão caros à vida em coletividade, não podem ser preteridos sob os ditames da subjetividade e dos enviesamentos ideológicos.
A UFERSA, para nós, está acima de projetos pessoais, egocêntricos, de poder e visibilidade, e o que deve ser priorizado é o trabalho em prol de nossa comunidade. A UFERSA tem papel central no desenvolvimento científico, social e econômico da região e emerge como plataforma de transformação de vidas e lares por meio da educação e de tudo aquilo que ela significa e pode proporcionar. E, também por isso, reiteramos nosso zelo e defesa intransigente da Universidade pública, gratuita, laica, de qualidade e inclusiva, e de todos os valores que a sustentam!
De nossa parte, temos a ciência de que apresentamos um projeto de universidade plural, construído coletiva e colaborativamente, amplamente creditado por todas as categorias, que nos confiou e nos legou sua implementação. A despeito de todo o exposto, saímos desse processo altivos e de cabeça erguida, convictos de que a culminância do mesmo não representa a vontade da comunidade acadêmica e carece da legitimidade democrática, tão necessária e imprescindível.
Desta forma, gostaria de expressar especialmente, meus agradecimentos a toda nossa comunidade acadêmica, que acreditou em nossas propostas, nos ajudou a construí-las e que também conosco ansiou, esperançosa, por um futuro auspicioso para aqueles e aquelas a quem a missão institucional da UFERSA abraça.
Agradeço por nossa votação expressiva, com ampla maioria em todas as categorias, o que nos deu o primeiro lugar na lista tríplice, fato que me orgulhou e deixou feliz pela confiança de quem faz a Universidade para gerí-la. Agradeço as centenas de mensagens, falas e palavras de força e suporte nesse momento difícil, recebidas de nossos e nossas discentes, colegas servidoras docentes e técnicas, colegas servidores docentes e técnicos, colegas servidoras e servidores terceirizados. Agradeço aos colegas e às colegas do Brasil inteiro de universidades federais do norte ao sul do país – pró-reitoras e pró-reitores, amigas e amigos de outras Instituições, redes e órgãos pelas palavras de apoio e coragem.
Tudo isso amplia a certeza de que trilhamos o caminho certo, com muita transparência, humildade, vontade, comprometimento e respeito, sempre na esteira da ética e do zelo para com a coisa pública. Construímos uma proposta consistente, com a participação, repito, de toda a comunidade acadêmica e fomos mais que exitosos.
Seguiremos firmes e convictos das ideias de sustentação da instituição universitária, primando por sua autonomia e princípios; por suas diretrizes e ações democráticas, colegiadas, includentes. Asseguramos o compromisso de continuarmos nos dedicando à Universidade, com esmero e disponibilidade, assumindo os papéis que nos cabe, como sempre o fizemos, resistindo e trabalhando para o crescimento da instituição e para que dias vindouros possam alegrar e aclarar o contexto pelo qual passamos.
Sejamos e sigamos vigilantes, proativos nos nossos espaços de trabalho, nos espaços de construções, nas esferas de representações, nos espaços eletivos de nossa Universidade, confrontando atitudes e medidas descabidas e/ou autoritárias, e lutando constantemente pela democracia, afinal, a UFERSA somos todos e todas nós e de nossos esforços ela se ergue e se faz!
Sigamos com a consciência tranquila, por termos feito o melhor que pudemos, com a certeza de que estamos do lado certo da história, e com a convicção de que a história, em seu devido momento, coloca todos e todas em seu devido lugar.

View this post on Instagram

Resultado de um processo democrático construído por meio de amplos diálogos e participação de todos os segmentos da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, a nossa UFERSA, o processo de sucessão à Reitoria da Instituição foi encerrada ontem, 21 de agosto de 2020, da forma menos esperada pela comunidade acadêmica, causando perplexidade e lamentações. Em cumprimento de agenda na cidade de Mossoró e região, o Presidente da República anunciou a nomeação da terceira colocada da lista tríplice, que somou apenas 18% dos votos da comunidade, para gerir a UFERSA no período 2020-2024, solapando o que essa mesma comunidade expressou através da consulta. Não nos cabe dizer, por óbvio, e como é amplamente sabido, que o ato de nomeação foi ilegal ou que não existe a prerrogativa presidencial. Todavia, ressalte-se, não se pode deixar de mencionar que o ato representa um desrespeito flagrantemente a deliberação das categorias ufersianas, manifestada por meio do voto na consulta, quanto à condução da Universidade durante os próximos quatro anos. Embora existam os dispositivos legais, a esfera ética não pode ser desconsiderada e os valores democráticos, tão caros à vida em coletividade, não podem ser preteridos sob os ditames da subjetividade e dos enviesamentos ideológicos. A UFERSA, para nós, está acima de projetos pessoais, egocêntricos, de poder e visibilidade, e o que deve ser priorizado é o trabalho em prol de nossa comunidade. A UFERSA tem papel central no desenvolvimento científico, social e econômico da região e emerge como plataforma de transformação de vidas e lares por meio da educação e de tudo aquilo que ela significa e pode proporcionar. E, também por isso, reiteramos nosso zelo e defesa intransigente da Universidade pública, gratuita, laica, de qualidade e inclusiva, e de todos os valores que a sustentam! De nossa parte, temos a ciência de que apresentamos um projeto de universidade plural, construído coletiva e colaborativamente, amplamente creditado por todas as categorias, que nos confiou e nos legou sua implementação. (Continua nos comentários)

A post shared by Rodrigo Codes (@codesufersa) on



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.