Paraíba

Paraíba registra menor crescimento nos casos de Covid-19 esta semana, aponta levantamento da UFPB

Levantamento foi elaborado pelo Laboratório de Inteligência Artificial e Macroeconomia Computacional (LABIMEC), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

27/06/2020


Imagem meramente ilustrativa - Paciente curada da Covid-19

Por Redação / Portal WSCOM

Um estudo sobre análises e estatísticas relativas aos efeitos e avanço da Covid-19 no Estado, divulgado neste sábado (27), aponta que o aumento relativo nos casos da doença na Paraíba, essa semana foi menor do que na anterior. De acordo com o levantamento elaborado pelo Laboratório de Inteligência Artificial e Macroeconomia Computacional (LABIMEC), da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), a diminuição nos casos ativos registrado nos últimos dias fortalece os indícios de desaceleração do ritmo de crescimento.

“O aumento relativo nos casos de Covid-19 no Estado essa semana foi menor do que a semana passada, o crescimento atípico do dia 19 é explicado pela falha do eSUS VE apontada semana passada, fazendo com que os casos do dia anterior fossem notificados juntos aos da sexta-feira. Esta semana, no domingo dia 21, os casos ativos variaram negativamente pela primeira vez. Atualmente possuímos 27869 casos ativos, o decréscimo nos ativos fortalece os indícios de desaceleração do ritmo de crescimento”, diz trecho do Estudo.

Ainda de acordo com o Labimec/UFPB, o número de municípios que confirmaram pelo menos 1 caso de Covid-19 manteve-se o mesmo da semana anterior, 216, com apenas sete municípios sem registros oficiais de coronavírus. As cidades com maior número de casos são: João Pessoa (11.369), Campina Grande (6.025), Guarabira (1.894), Cabedelo (1.657), Patos (1.187) e Santa Rita (1.166) e, conjuntamente, essas representam 57% dos casos da Paraíba.

MORTALIDADE

Ainda conforme o estudo, o índice de mortalidade no Estado manteve-se no mesmo patamar no decorrer da semana. “Na semana passada, tínhamos 2,2% de mortalidade, ante os mesmos 2,2% dessa semana. Os recuperados representavam 22,2%, aumentando para 25,1% essa semana”, destaca.

ANÁLISE PERFIL DOS ÓBITOS

O levantamento ainda traça um perfil construído a partir dos dados dos óbitos do coronavírus no Estado para o dia 25 de Junho e, a partir dele, foi possível verificar que 69% das vítimas tinham mais de 60 anos e 72,1% tinham pelo menos 1 comorbidade.

“As vítimas estão distribuída em 40,6% mulheres e 59,4% em homens. A média de idade foi 67,4 anos, maior que semana passada. Dentre as comorbidades mais comuns, destacam-se, em ordem decrescente: diabetes (33,2%), hipertensão (31,4%), cardíacos (20,2%), obesidade (6,7%), doenças neurológicas (6,3%), fumantes (3,1%) e neoplasias malignas (2,2%). O tempo médio de início de sintomas até o óbito ficou em 12 dias, dentro do observado em outros países. Adicionamos informação do local do óbito, sendo que, 88,3% deles ocorreram em hospitais públicos, 7,2% em hospitais privados, 3,8% em sua residência e 0,8% não foram informados. Ressaltamos que a análise dos locais de óbitos não é suficiente para medir a eficiência do serviço público ou privado de saúde”, revela.

 



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.