Futebol

Palmeiras rompe com a Mancha Verde e quer que torcida expulse agressores

Após briga


07/03/2013



As agressões de integrantes da Mancha Alviverde a jogadores do Palmeiras no Aeroparque de Buenos Aires, na manhã desta quinta-feira, fizeram o presidente do clube, Paulo Nobre, prometer agir com pulso firme daqui para a frente. O mandatário informou que não vai mais dialogar com a torcida organizada se os baderneiros não forem identificados e expulsos.

– Se quiserem voltar a ter um diálogo com essa presidência, as organizadas devem identificar as pessoas que cometeram esse ato de vandalismo e expulsá-los. Que eles sejam expulsos da torcida e entregues à Polícia. Os agressores do nosso goleiro têm de ser julgados pela Polícia e expulsos da nossa torcida – disse Nobre, nesta tarde, na Academia de Futebol.

Ele admitiu que o clube concedia algumas regalias aos uniformizados, mas avisa que isso não continuará acontecendo.

– O que o Palmeiras fazia de bom ao torcedor? Em jogos em São Paulo, vendíamos ingresso. Nos de fora, eu deixei claro a eles que não era função do clube financiar a organizada. Eles queriam as viagens pagas por nós, eu disse que não era nossa responsabilidade e que, se eles conseguissem a viagem, eu forneceria o ingresso. O Palmeiras dava ingressos ao torcedor – avisou.

– Neste jogo, tínhamos 100 ingressos que o Tigre deu e foi suficiente para atender à torcida. A partir de agora, o Palmeiras não é refém de organizada. O fato de respeitarmos todo tipo de torcedor não faz o clube refém. Até que alguma medida seja tomada por parte das organizadas, essas regalias estão cortadas – acrescentou.
Paulo Nobre não acredita que o caso vá causar as saídas de Valdivia, principal alvo dos revoltados, e Fernando Prass, que acabou se ferindo em meio à confusão.

– Nenhum falou que quer sair. Falei com o Prass e ele não está satisfeito, mas é profissional e tenho certeza que vai continuar defendendo o Palmeiras com o mesmo afinco de sempre. Falei com o Valdivia também. Quando ele comete indisciplina tem de ser punido, sem regalias, mas quando tem atitudes como as que tem nesse ano, tem de ser elogiado. Todo mundo dizia que no Carnaval ele iria para bloco e ele ficou se tratando, foi aos jogos, está tendo atitude exemplar em campo. É inegável e qualidade dele quando está motivado como neste ano – disse.
O mandatário admitiu que o Mago acirrou os ânimos ao fazer gestos obcenos para os fanáticos durante o aquecimento no gramado, quando estava sendo chamado de vagabundo, mas se colocou totalmente ao lado do atleta.

– Ele tem total apoio da diretoria e não tem sangue de barata. Antes do jogo ele foi xingado, é um ser humano. Mas não pode responder à torcida, tem de ter sangue frio. Eram torcedores que sempre têm esse tipo de atitude contra ele. Ele pode ter trocado xingamentos ou gestos, não apoio isso, mas não justifica o que a torcida fez. E Valdivia tem 100% de apoio de nós por tudo que demonstra nesse ano.

 



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.