Notícias

OPINIÃO: Walter Santos analisa novos vazamentos da Calvário envolvendo agora deputados

05/01/2020




Os novos vazamentos da Calvário chegam seletivamente às campanhas de deputados federais e estaduais

E eis que, na sequência interminável de vazamentos seletivos da Operação Calvário, a última leva de revelações expõe o repasse de recursos para as campanhas de deputados federais, a exemplo de Efraim Filho (R$ 2 milhões), e de estaduais como Edmilson Soares (R$ 1.600.000,00) a ser dividido com Lindolfo Pires, Branco Mendes, Tião Gomes e Artur Cunha Lima Filho com características típicas de Caixa 2, isto porquanto não há informações de que foram anotados na contabilidade de campanha.

O fato novo é que o deputado Efraim Filho rechaçou neste domingo a citação do nome dele negando participação em esquemas tomando até a decisão de quebra do sigilo bancário e fiscal para comprovar o que afirma.

A contestação da forma posta enfraquece a revelação / denúncia.

Tratam-se de dados revelados a partir da delação do ex-Secretário Ivan Burity em entendimentos envolvendo ainda o delator Leandro Nunes em plena campanha de 2014, mas que agora estão contestados publicamente.

MAIS VAZAMENTOS

Também no vazamento seletivo recente há exposição de negociações entre Waldson de Souza e o Secretário da PMJP, Zennedy Bezerra, para repasse de recursos financeiros na ordem de R$ 1.000,00  à campanha do então candidato Lucélio Cartaxo ao Senado, em 2014.

Segundo o vazamento seletivo, Zennedy teria pedido R$ 1 milhão mas depois baixou para R$ 600 mil quando da campanha de Lucélio Cartaxo ao Senado, pelo PT em 2014.

Conta afinal que Zennedy teria se encontrado com Waldson no Hotel Nord, no Cabo Branco, para conversar sobre o repasse. Ele seria, segundo a revelação, o articulador de Lucélio na candidatura.

AFUNILANDO

Diante dos vazamentos, por fim, cada vez mais vai se caracteriza que parte da operação articulada visando repasses de recursos era com natureza típica de caixa 2, tese levantada desde as primeiras revelações, mas com provável  aproveitamento de alguns atores do esquema para recebimento de propinas e enriquecimento particular.

O fato é que a Operação Calvário tende a ampliar revelações de novos nomes, cujo processo de agora em diante precisará de zelo jurídico redobrado por parte da Justiça em face da vigência da Lei de Abuso de Autoridade.

Estamos ainda no começo.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.