Cultura

Lançamento do livro ‘Magistrados & Arte Musical – Perfis’ reúne juízes e jornalistas em noite cultural


30/03/2019

Obra conta as histórias de 17 magistrados e a relação deles com a arte musical (Ascom TJPB)

A magistratura e a música deram o tom perfeito e harmonioso na noite desta sexta-feira (29), durante o lançamento do livro ‘Magistrados & Arte Musical – Perfis’, no Restaurante Acqua, na Praia do Bessa, em João Pessoa. Organizada pela jornalista e professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Sandra Moura, a obra conta as histórias de 17 magistrados do Poder Judiciário paraibano e a relação deles com a arte musical. O prefácio é do escritor Evandro da Nóbrega e a orelha do jornalista Nonato Guedes. A capa e o projeto gráfico são do professor David Fernandes.

Sandra Moura revelou como surgiu a ideia do livro. “Eu estava elaborando um projeto de pesquisa e ainda estava definindo o que seria, quando certa noite eu estava aqui no Acqua e vi o juiz Gustavo Urquiza ser chamado para tocar. Ele tocou piano e tocou muito bem. Aí, eu fiquei pensando se isso daria um projeto de pesquisa. Depois, fiquei sabendo que existiam outros profissionais da magistratura que também tocavam, que cantavam e compunham. Começamos a pesquisa e chegamos a 17 magistrados, sendo 3 desembargadores e 14 juízes, que têm essa relação com a música”.

MAGISTRADOS E A ARTE

O desembargador Romero Fonseca, um dos perfilados no livro, disse que vários magistrados são artistas. “Quero parabenizar a iniciativa do Departamento de Jornalismo da UFPB, pela brilhante ideia. Minha relação com a música é permanente. Eu canto nas horas tristes e nas horas alegres. Eu, realmente, gosto de cantar”.

Já o desembargador Leandro dos Santos parabenizou a professora Sandra Moura pela feliz ideia. “É algo que eu acho que é inédito, você publicar um livro sobre a ligação da vida dos magistrados com as artes. Ela aproveitou uma grande riqueza que nós temos na Paraíba, que são essas pessoas envolvidas com música, com poesia, com outras manifestações culturais. Essa noite vai ser maravilhosa, porque vai traduzir a realidade do próprio livro”.

O juiz Marcos William disse que, na verdade, são duas áreas completamente distintas: a magistratura e a arte musical. “Venho de uma família de músicos de repercussão. Como é sabido, eu sou sobrinho de Sivuca, mas o gênio é ele. Nós apenas herdamos um pouco da veia artística, da verve poética. Achamos que essa iniciativa vem exatamente mostrar que o juiz não é apenas uma pessoa que vive de aplicar as leis, ele pode ser um artista ou tentar ser”.

O magistrado Hermance Gomes Pereira lembrou que a música está presente desde a sua infância. “Meus pais primavam por isso. Eu e meus irmãos estudamos música em conservatório. É uma coisa sempre presente, minha mãe tocava piano, minha irmã toca piano muito bem e meus irmãos tocam violão. Quanto a essa iniciativa da professora Sandra Moura, eu acho excepcional. É um registro para a história”.

Outro juiz que contou a sua relação com a música foi Gustavo Urquiza. “Eu toco desde criança, desde os seis anos de idade. Música para mim é uma coisa visceral, é como escovar os dentes, tomar banho, fazer qualquer coisa. Eu toco diariamente. A grande sacada da autora, Sandra Moura, é que ela percebeu que o magistrado tem um outro lado, que é o da cultura. Não vive apenas de fórum e de tribunais. Ela foi sensível a isso”.

A juíza Túlia Neves relatou que acompanhou o nascimento do livro desde sua semente. “Quando a professora nos procurou, logo encampei a ideia. Essa obra veio tirar o magistrado da condição de trabalho que ele vive, sempre envolto a processos e a fórum. Também somos ligados as artes, a cultura. Eu gosto muito de cantar, sobretudo, a música popular brasileira”.

O juiz Onaldo Rocha Queiroga também destacou a importância da obra para a sensibilidade do julgador. “Essa publicação resgatou nosso lodo mais humano e cultural. O livro, como foi escrito, nos leva a buscar mais sensibilidade ao nosso cotidiano e em nossos julgamentos”, comentou.


AGRADECIMENTO

Após apresentar a obra, Sandra Moura agradeceu a todos os juízes que contaram suas histórias, aos familiares e amigos que deram depoimentos sobre eles. A todos os jornalistas que participaram diretamente do projeto, escrevendo os perfis, e os profissionais que apoiaram na divulgação e no acesso aos magistrados. “Nesse caso, somos gratos aos profissionais da Comunicação do TJPB, por meio da diretora Cristiane Rodrigues e sua equipe, que nos auxiliaram”, ressaltou.

As histórias de vida dos protagonistas do livro chamaram a atenção da autora desse trabalho inédito no Nordeste. “São homens e mulheres que lidam, cotidianamente, no exercício de suas funções, com os piores confrontos, adversidades e crueldades da vida e que adotaram a música como uma de suas estratégias de enfrentamento e humanização dessa realidade. A música é um gancho, um pano de fundo para conhecer as histórias de vida deles, que vivem o amor, a dor, a doença, a solidão, a emoção de uma pessoa como outra qualquer”, ressaltou Sandra Moura ao final.

Durante o lançamento, o desembargador Romero Marcelo e os juízes Gustavo Urquiza, Marcos William, Rudimacy Firmino, Túlia Neves (acompanhada do seu esposo artista Emerson Uray), Hermance Pereira (com sua banda Vanity), Fabrício Meira e Vladimir Nobre (com as bandas High Level e FM Blues) se apresentaram para os convidados e foram muito aplaudidos.


PERFIS

Assinam os perfis 17 jornalistas paraibanos, com os respectivos magistrados: Aderlon Amorim (juiz Adeilson Nunes), Andrea Batista (juiz Fábio Araújo), Bruna Vieira (juiz Marcos William), Celina Modesto (juíza Remédios Pordeus), Cibelly Correia (juiz Ailton Nunes), Débora Freire (desembargador Leandro dos Santos), Evandro da Nóbrega (desembargador Paulo de Morais Bezerril, in memoriam), Giuliana Rodrigues Queiroz (juiz Edailton Medeiros), Luciellen Souza (juiz João Tejo), Marcella Machado (juiz Hermance Pereira), Maryellen Badarau (juiz Rudimacy Firmino), Rackel Cardoso (juiz Vladimir Nobre), Rafael Poeta (juiz Fabrício Meira), Rafaela Gambarra (juiz Onaldo Queiroga), Sandra Moura (desembargador Romero Marcelo), Valéria Sinésio (juiz Gustavo Urquiza), Verônica Rufino (juíza Túlia Neves).

 


Portal WSCOM com Ascom TJPB



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
// //