Futebol

Kaká vai de salvador a coadjuvante com chegada de ex-mentor Scolari

Retorno


24/03/2013

 O paradoxo em que se transformou a carreira de Kaká ganhou novos tons no final de novembro, quando o presidente da CBF, José Maria Marin, decidiu demitir Mano Menezes do comando da seleção brasileira. A troca de treinador descarrilhou o que se desenhava como uma volta triunfal de um jogador cuja passagem pela equipe parecia ter se encerrado na Copa do Mundo de 2010.

Se Mano apostava em lampejos de genialidade e na influência de Kaká sobre público e mídia, deixando em segundo plano a falta de oportunidades encontrada no Real Madrid, Luiz Felipe Scolari não mostra ter o meia como prioridade em seu planejamento para a seleção.

Há 11 anos Kaká foi uma aposta de Felipão no grupo que foi à Copa do Mundo de 2002, ainda que o então jogador do São Paulo tenha atuado por apenas 20 minutos, na partida contra a Costa Rica na primeira fase. Hoje ele ainda não parece ter convencido o treinador de sua relevância. Na primeira convocação, sequer foi chamado – Scolari preferiu dar uma chance a um Ronaldinho que vinha e vem jogando com regularidade do Brasil.

A partida apagada do ex-barcelonista contra a Inglaterra e um princípio de ressurgimento de Kaká no Real Madrid levaram Felipão a incluir o melhor jogador do mundo de 2007 no grupo para os compromissos contra Itália e Rússia.

Kaká, no entanto, ficou no banco na partida de quinta-feira, entrando aos 17 do segundo tempo. Não pôs fogo no jogo, mas tem a seu favor o fato de que a seleção brasileiro passou a maior parte do jogo sob pressão dos italianos.

Contra a Rússia, na segunda-feira, é quase certo que Kaká será titular. Felipão não anuncia a volta do meia com alarde. "É uma possibilidade, mas ainda vou avaliar"", disse o técnico.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.