Paraíba

Justiça nega habeas corpus a Ruan Macário, acusado de atropelar e matar o motoboy Kelton Marques, no Retão de Manaíra


12/11/2021

Ruan Macário está foragido da Justiça há dois meses

Portal WSCOM



O juiz Carlos Antônio Sarmento negou, nesta sexta-feira (12), habeas corpus impetrado pela defesa de Ruan Macário, motorista acusado de atropelar e matar o entregador por aplicativo Kelton Marques, em acidente registrado na madrugada do último dia 11 de setembro, no Retão de Manaíra, em João Pessoa. O magistrado tomou em decisão ao analisar o caso na Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), onde atua em substituição ao desembargador Ricardo Vital de Almeida.

Este já é o segundo habeas corpus com pedido liminar impetrado pelo advogado Genival Veloso, que integra a defesa de Ruan Macário. Ao negar a medida judicial, o juiz Carlos Antônio Sarmento alegou a ausência de novidade que justificasse o alvará de soltura do acusado, que tem prisão preventiva decretada, mas se mantém foragido.

“Analisando, detidamente os autos, entendo que a presente ordem de Habeas Corpus, não merece ser conhecida, por tratar-se, claramente, de reiteração de outro em apreciação. É que tais matérias consubstanciam mera repetição do veiculado no habeas corpus n. 0816196-86.2021.815.0000, em tramitação nesta Corte, sob minha relatoria,” pontuou o magistrado em sua decisão.

ENTENDA O CASO

O entregador por aplicativo, Kelton Marques, morreu após ser atingido por um carro em alta velocidade, no Retão de Manaíra, pouco depois das quatro horas da manhã no dia 11 de setembro.

Kelton Marques tinha 33 anos, duas filhas e morava em Santa Rita. Ele trabalhava em um restaurante que atendia nas madrugadas, e na hora do acidente já tinha terminado as entregas do dia e voltava para casa.

De acordo com o delegado do caso, Luiz Eduardo, latas de cerveja e substâncias entorpecentes estavam espalhadas pelo carro do motorista Ruan Macário, que fugiu do local sem prestar socorro à vítima e até hoje não se entregou à Justiça. Ele tem pedido de prisão preventiva decretado.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.