Esporte

Indicada mais jovem do Laureus 2020, Rayssa Leal é vista como “fora da curva” por Tony Hawk

Brasileira deve ficar longe dos pais pela 1ª vez caso conquiste vaga para os Jogos de Tóquio. Estadia na Vila Olímpica preocupa mãe, que teme distrações: “Falaram que é tipo uma Disney”.

16/02/2020


Rayssa Leal, Sky Brown e Tony Hawk entre outros atletas em visita a projeto alemão. (Foto: Helena Rebello)

Globoesporte.com

Sentadas na pista de concreto, meia dúzia de crianças de 9 a 12 anos olhavam admiradas para os ídolos. Um deles, praticamente da mesma idade, já exibe um currículo de invejar muito adulto. Rayssa Leal é a atual campeã brasileira e vice-campeã mundial de skate street. Mais jovem indicada desta edição do Prêmio Laureus, concorrendo como Melhor Atleta de Esportes de Ação, a brasileira de 12 anos desafia limites de um esporte que chega aos Jogos de Tóquio com a missão de rejuvenescer o programa olímpico, impressionando até lendas como Tony Hawk.

 

Rayssa Leal com crianças de projeto alemão apoiado pela fundação Laureus Sport for Good — Foto: Helena Rebello

Rayssa Leal com crianças de projeto alemão apoiado pela fundação Laureus Sport for Good — Foto: Helena Rebello

 

Neste sábado (15), Rayssa, a nipo britânica Sky Brown e Tony Hawk visitaram o Berlim Skatehalle, arena indoor que abriga o projeto High Five. A iniciativa promove o skate e o snowboard como ferramentas de inserção social e é apadrinhada pela fundação Laureus Sports For Good (Esporte para o bem), que apoia mais de 200 programas em mais de 40 países – oito no Brasil.

 

 

Ver essa foto no Instagram

 

me and the legend @tonyhawk 💕 Thank you so much for the inspiration 🛹 @laureussport #laureus20

Uma publicação compartilhada por Rayssa Leal (@rayssalealsk8) em

 

A proximidade de idade das jovens estrelas do circuito mundial com as crianças do projeto alemão evidenciava o talento acima da média da dupla. Com a experiência de quem também foi um prodígio, competindo profissionalmente desde os 14 anos, Hawk celebra que hoje o skate tenha mais estrutura e reconhecimento que permita o desenvolvimento dos atletas.

– É incrível que a nova geração tenha tantas oportunidades assim. Quando eu comecei a andar de skate havia pouquíssimas oportunidades. O skate era visto de forma muito negativa. Aos poucos, o skate foi ficando popular, mas garotas no skate ainda não algo popular. Agora, com a geração de Rayssa e da Sky tudo é bom.

“Eles são bem acolhidas por todos, há torcida para elas e elas estão brilhando por causa disso. E elas têm muita habilidade, especialmente Rayssa. Ela estabelece muitos desafios pra si própria e eles são grandes, não são pequenos passos, são coisas que skatistas de alto nível estão fazendo há décadas. Ou seja, ela é muito fora da curva”.

Rayssa Leal, Sky Brown e Tony Hawk entre outros atletas em visita a projeto alemão — Foto: Helena Rebello

Rayssa Leal, Sky Brown e Tony Hawk entre outros atletas em visita a projeto alemão — Foto: Helena Rebello

 

A precocidade, no entanto, também gera preocupação. Apesar da média de idade da elite do skate mundial ser baixa, Rayssa é uma criança e está acostumada a ter a companhia dos pais, Haroldo e Lilian, em todas as competições. Essa supervisão não será possível caso a maranhense confirma a classificação olímpica para Tóquio, uma vez que apenas atletas e membros do corpo técnico das confederações e do Comitê Olímpico do Brasil (COB) podem se hospedar na Vila Olímpica.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.