menu

Música

30/11/2013


Festival de Música apresenta a Orquestra

Sinfônica Municipal

 João Pessoa será palco do I Festival Internacional de Música Clássica, idealizado pela Prefeitura Municipal (PMJP), por meio da sua Fundação Cultural (Funjope). O maestro Laércio Diniz assume a direção artística do evento, que acontece entre os dias 1° e 7 de dezembro, com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), fortalecendo a política cultural da PMJP de incluir João Pessoa como referência de qualidade no gênero e no trajeto de importantes artistas.

O Festival ainda apresenta à população a Orquestra Sinfônica Municipal de João Pessoa, em sua estreia oficial, além de fomentar o turismo da região, gerando grande movimento de visitantes nos hotéis, pousadas e restaurantes. Todos os recitais têm entrada franca.

O evento traz à cidade mais de 100 grandes nomes e expoentes da música erudita em concertos, aulas e palestras, com 22 concertos de música de câmara com os instrumentistas e dez masterclasses com professores consagrados em seus instrumentos, que também são estrelas nos concertos.

O diretor-executivo da Funjope, Maurício Burity, disse que os concertos acontecerão na parte da tarde e noite, e os encontros serão realizados pela manhã. “É uma excelente oportunidade de troca de experiências com grandes referências da música clássica”, comentou.

A abertura do Festival acontecerá no Adro da Igreja São Francisco. Durante sete dias, algumas igrejas de João Pessoa vão receber músicos renomados da Holanda, Bélgica, Espanha, Estados Unidos, Austrália, Rússia, Prússia, Argentina, Chile e Alemanha, além do Brasil. As masterclasses serão ministradas na Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Programação – Na extensa e variada programação do I Festival Internacional de Música Clássica, destacam-se apresentações de artistas e professores como: Alberto Johnson (violino, representando Brasil e Holanda), Pamela Kubik (violino, Argentina), Kerstin Kendler (violino, Alemanha), Nathan Olson (violino, Estados Unidos), Igor Bobylev (viola, Ucrânia), Samuel Espinoza (viola, Chile e Brasil), Ana Chamorro (violoncelo, Brasil), Fred Pot (violoncelo, Holanda), Arjan Woudenberg (clarinete, Holanda), Eduardo Olloqui (oboé, Espanha), James Aylward (fagote, Austrália), Barbara Deleu (flauta, Bélgica), Laurens Otto (trompa, Holanda) e Paulo Alvares (piano, Brasil e Alemanha).

Entre os representantes da ‘seleção canarinha’ da música de câmara de João Pessoa, os destaques são: Quinteto Uirapuru, Quinteto da Paraíba, Quarteto de Cordas da Paraíba, Quinteto Musarum e Grupo Camena.

Ainda entre os eventos de destaque do Festival, Raif Dantas (violoncelista paraibano), Paulo Álvares (pianista), Anna Fedorova (pianista ucraniana) e Fabio Zanon (violonista).

No pontapé inicial, comandado pelo idealizador do projeto, Laércio Diniz, a Orquestra Sinfônica de João Pessoa já chega grandiosa, em convênio musical com a orquestra holandesa New Netherlands Orchestra. O grupo holandês traz como spalla (primeiro violino) o paraibano Alberto Johnson, violinista de uma das melhores orquestras européias, a Orquestra Filarmônica da Radio Holandesa.

A direção artística do Maestro Diniz formatou a nova Orquestra Sinfônica de João Pessoa mantendo os músicos da antiga Orquestra de Câmara da Cidade de João Pessoa, aumentando os salários e o quadro artístico em mais de 15 novos profissionais, tendo entre eles alguns dos melhores e mais representativos talentos da região. Tendo como solistas feras internacionais como a pianista ucraniana Fedorova e o violonista brasileiro Fabio Zanon, a Orquestra abre e encerra os trabalhos do festival.

Revitalização da Orquestra – A Prefeitura de João Pessoa, por meio da Funjope, aposta suas fichas no Festival e na nova orquestra, que eleva a cidade ao status de fomentadora de cultura, equiparando-a a algumas das maiores capitais do mundo. “Estamos investindo e valorizando nossa cultura em suas diversas modalidades. Estimulamos as festas e eventos populares, aliadas a uma política de democratização da cultura. Agora vamos, com este Festival Internacional de Música Clássica, potencializar a relação entre cultura e turismo. Um evento deste porte vai projetar ainda mais a cidade de João Pessoa nos cenários nacional e internacional”, ressaltou o prefeito Luciano Cartaxo.

A carreira internacional do carioca Laércio Diniz começou regendo a Bachiana Chamber Orchestra, em um concerto no Carnegie Hall em Nova York, em 2008. Um ano depois, Diniz voltava à Big Apple regendo o pianista David Brubeck, no Lincoln Center. Maestro e diretor artístico da Orquestra Filarmônica do Brasil (FIBRA) e da orquestra de época Engenho Barroco, em 2011 se firmou de vez no cenário da música clássica internacional, assumindo a regência da orquestra holandesa New Netherlands Orchestra, formada por músicos da Orquestra da Radio Holandesa.

Nascido no Rio de Janeiro, Laércio foi vencedor de duas edições do tradicional concurso Jovens Solistas, bolsista da Universidade do Rio de Janeiro, e no final da década de 80, bolsista na Escola Superior de Música de Colônia, Alemanha, via Daad (Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico), sob orientação de Ingeborg Scheerer, Saschko Gawriloff, Susanne Rabenschlag, e música de câmara com o quarteto "AMADEUS".

No Brasil teve como mestres de regência os Maestros Roberto Tibiriçá e Isaak Karabtchevsky, fundou o quarteto de cordas AUREUS (três CDs Gravados) e a Orquestra de Câmara Engenho Barroco (quatro CDs gravados). Realizou concertos na Alemanha e na América do Sul com estes grupos. Foi professor de violino dos mais importantes festivais internacionais de música no Brasil e professor de violino da Faculdade FMU.

Desde 2011 passou a se apresentar Brasil afora com o projeto “Maestro Capemisa”, regendo como convidado diversas orquestras por todo o País, e também realizando palestras e representando um dos maiores projetos sociais do Brasil reconhecidos pela Unesco, o “Lar Fabiano de Cristo”. Após o enorme sucesso do público e crítica em 2011 o projeto ganhou o subtítulo “A viagem de Villa-Lobos”, no intuito de levar o nome do compositor brasileiro mais expressivo às salas de concerto de todo o mundo. Em Junho de 2012 gravou na Lituânia com a “Lithuanian National Symphony Orchestra (LNSO)” o CD “Saudades do Brasil” com obras de Villa-Lobos, Milhaud e Florent Schmit, pelo selo Aureus Records.

É essa bagagem que confere a Laércio Diniz capacidade e confiança para idealizar, produzir e comandar um evento do porte do Festival Internacional de Música Clássica de João Pessoa. “Estou muito feliz em poder participar da criação de um novo corpo orquestral. É uma oportunidade única fazer parte do nascimento de uma orquestra sinfônica municipal, um verdadeiro presente para a sociedade. Somente os municípios mais importantes do Brasil e do mundo têm uma orquestra sinfônica própria. João Pessoa é uma das capitais brasileiras com maior tradição para a música clássica e uma orquestra sinfônica vem para catalisar esta tradição e transformá-la em realidade.”, afirma Diniz.