Paraíba

Eduardo Varandas deixa o cargo de procurador –chefe do Trabalho da Paraíba

Saída

31/05/2013


 A partir deste sábado, 1º de junho, o procurador Eduardo Varandas deixa o cargo de procurador-chefe do Trabalho na Paraíba. A vaga será ocupada pelo procurador Cláudio Cordeiro Queiroga Gadelha.

A gestão de Eduardo Varandas foi marcada por amplas reformas na estrutura interna do Ministério Público do Trabalho e na humanização do atendimento ao trabalhador. O procurador permaneceu na chefia por dois anos e cinco meses. Gadelha, atual procurador-chefe adjunto, passa a assumir a chefia por igual período. Na Procuradoria Regional do Trabalho da 13ª Região não são realizadas eleições para chefia, sendo o cargo ocupado através de sistema de rodízio.

“Reformulamos o conceito de atendimento ao cidadão. Na verdade, criamos um núcleo para recepção de denúncias, com instalações humanizadas para que o trabalhador possa sentir-se melhor acolhido. Retiramos birôs e balcões e fizemos uma sala de estar, exatamente para demonstrar aos que batem à nossa porta que são bem-vindos e serão ouvidos”, disse Varandas.

Ainda em relação às reformas físicas, houve ampliação dos gabinetes dos membros para comportar as assessorias a serem criadas. “Implantamos refeitório climatizado para servidores e terceirizados. Renovamos a frota de veículos do órgão, com padronagem institucional. Criamos o projeto piloto dos terminais de autoatendimento, onde o trabalhador poderá fazer denúncias, acompanhar os feitos que tem interesse, fazer sugestões e críticas e avaliar o atendimento da Procuradoria. Instalamos rede wi-fi em todas as unidades do órgão, inclusive para visitantes. Agora, os advogados têm uma sala especial para atenderem seus clientes reservadamente. Para recuperar a memória da PRT13, revitalizamos a galeria de procuradores-chefes e criamos a de diretores regionais. Para maior segurança de servidores e membros, implantamos controle de entrada e saída de pessoas, com registro eletrônico visual”, enumerou.

Nova gestão

O procurador Cláudio Gadelha anunciou que fará um amplo diagnóstico para identificar os principais problemas a enfrentar de forma imediata, que servirá de base para a execução de ações estratégicas.

“Trata-se de dois momentos distintos: no primeiro, ouviremos a sociedade paraibana, os trabalhadores, os empregadores, entidades e órgãos públicos que compõem todo o complexo das relações de trabalho. Queremos saber quais os principais problemas que temos que enfrentar de forma imediata. Entendemos que não é possível, diante de um complexo legislativo tão denso e consistente como é a legislação trabalhista, com a existência de órgãos extremamente especializados na área, como Justiça do Trabalho, Ministério Público e Ministério do Trabalho e Emprego, ainda tenhamos situações de trabalho degradante em nosso estado; de chaga da exploração sexual infanto juvenil, do desprezo à dignidade da pessoa humana, mediante a exploração do trabalho a preço vil, entre outras situações que nos chocam, a exemplo de mutilações e mortes de trabalhadores em pedreiras, exploração de minérios, construção civil e outras atividades em que o Estado ainda precisa estar presente. Feita essa análise, ações estratégicas serão entabuladas num segundo momento, isso com parceiros da primeira hora, pois este será o tempo em que os resultados serão evidentes na melhoria das condições de vida do trabalhador nas relações de trabalho”, explicou.

Gadelha também anunciou a construção de nova sede para a Procuradoria do Trabalho no Município de Campina, capaz de atender melhor às demandas, e outra para a PTM de Patos, que ainda funciona em imóvel alugado.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.