Paraíba

Cícero Lucena e Daniella Ribeiro lamentam burocracia para funcionamento de equipamentos no diagnóstico do câncer em JP

Segundo eles, Pet-SCAN e a Câmara Cintolográfica (Gama Câmara) do Hospital Napoleão Laureano estão sem funcionar

30/07/2020


Imagem reprodução - Cícero Lucena durante live

Portal WSCOM

Inaugurados em fevereiro, dois equipamentos de alta tecnologia para o diagnóstico precoce do câncer ainda não tiveram autorização para funcionar no Hospital Napoleão Laureano. O investimento foi de mais R$ 6 milhões, através de convênios viabilizados em emendas da bancada federal paraibana, porém, questões burocráticas junto à Secretaria Municipal de Saúde da Capital impedem que o Pet-SCAN e a Câmara Cintolográfica (Gama Câmara) possam servir a quem mais precisa.

A revelação do problema foi da senadora Daniella Ribeiro, durante uma live com o ex-senador Cícero Lucena. De acordo com a parlamentar progressista, com a posse de Thiago Lins como novo diretor-geral da unidade na quarta-feira (27), a solução deve começar a ser traçada para que o investimento seja finalmente utilizado para salvar vidas.

Cícero Lucena, que também contribuiu com emendas no período em que esteve no Senado, afirmou que é mais uma lamentável constatação da falta de resolutividade da atual gestão municipal. Segundo ele, o gestor moderno precisa estar à frente da solução dos problemas mais complexos. “Pode delegar, mas na hora de definir, quem deve estar perto e tomar a decisão firme é o prefeito. Quem precisa do atendimento não pode esperar”, comentou.

O bate-papo dos progressistas girou em torno da tecnologia que interfere em todas as áreas do conhecimento, e que será fundamental para a recuperação do processo de degradação causado pela pandemia da Covid-19. E o ponto de partida, na opinião deles, é pela educação. As escolas devem ser transformadas, aproveitando a experiência que os problemas de conectividade e acessibilidade aos conteúdos à distância para construir um novo modelo de ensino.

Imagem reprodução – Cícero Lucena e Daniella Ribeiro durante live

Segundo Cícero Lucena, as escolas correm o risco de perder o ano e terão de recuperar os prejuízos nos próximos anos. Para reduzir esse prazo, a tecnologia será uma aliada fundamental para encurtar distâncias e otimizar o aprendizado. “Se existia distância entre os rendimentos na rede pública e na privada, me preocupa que essa diferença seja alargada se não fizermos o resgate tecnológico. Não é uma questão desse ou daquele partido, deve ser um movimento de união pelo futuro dessa e das futuras gerações de estudantes”, defendeu.

Daniella Ribeiro comentou o projeto de lei que relata no Senado, que prevê a utilização dos recursos do fundo das telecomunicações (Fust) no desenvolvimento da tecnologia dentro do País. Essa destinação pode garantir a conectividade e ampliação do acesso dos estudantes à internet, permitindo que as distâncias do conhecimento sejam amenizadas.

A parlamentar também destaca que as escolas precisam da tecnologia de conexão, porém, a capacitação dos profissionais também é necessária. Ela citou exemplo de professores que lamentam as dificuldades para ministrar conteúdos à distância, por não terem recebido a qualificação adequada para tal missão.

Tecnologia para melhorar vida

O ex-senador Cícero Lucena afirmou que a tecnologia deve ser usada para melhorar a vida das pessoas e que ninguém pode ousar permitir retrocessos nesse processo de transformação da sociedade. As futuras gerações necessitam crescer em meio tecnológico e com as condições adequadas para desenvolver suas vidas com a modernidade.

Pré-candidato a prefeito, Cícero propõe a capacitação do corpo docente das escolas públicas para que num breve futuro, a rede pública possa ser incubadora de empresas tecnológicas. De acordo com ele, o maior objetivo de qualquer mudança deve ser melhorar as condições de vida do maior número de pessoas.

Cícero acredita que a semente deve ser plantada e, com união de vários esforços, incentivada para não se perder de vista. “Temos de desenvolver o caráter empreendedor já na escola básica. Vamos capacitar empreendedores tecnológicos. Mesmo que não seja na grade curricular, pode ser em grade complementar, em horários opostos aos das aulas normais”, comenta.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.