Esporte

Djokovic vence ação judicial e é liberado de detenção para disputar o Aberto da Austrália


10/01/2022

(Reuters)



O número um do mundo, Novak Djokovic, foi libertado da detenção pela imigração australiana na segunda-feira, após vencer uma ação judicial para retomar sua tentativa de conquistar o 21º título recorde de Grand Slam no próximo Aberto da Austrália.

O juiz Anthony Kelly considerou que a decisão do governo federal na semana passada de revogar o visto do tenista para entrar no país era “irracional” e ordenou que Djokovic fosse libertado.

A situação de Djokovic tem sido acompanhada de perto em todo o mundo, criando tensões políticas entre Belgrado e Canberra e gerando um debate acalorado sobre os mandatos nacionais de vacinação.

Celebração sérvia

A notícia de sua libertação foi saudada com comemorações barulhentas de batidas de tambores e dança por um grupo de cerca de 50 apoiadores, muitos com a bandeira sérvia, fora do tribunal de Melbourne.

Kelly também ordenou que o governo federal pague as custas judiciais de Djokovic, que passou vários dias em um hotel de detenção de imigrantes, observando que seus advogados argumentaram que sua “reputação pessoal e profissional e seus interesses econômicos podem ser diretamente afetados”.

Advogados do governo federal, no entanto, indicaram que a luta pode não ter acabado, dizendo ao tribunal que o ministro da Imigração, Alex Hawke, estava se reservando o direito de exercer seu poder pessoal para revogar novamente o visto de Djokovic.

Depois de confirmar que tal medida, se tomada, iria barrar Djokovic de 34 anos do país por três anos, Kelly alertou os advogados do governo que “as apostas agora aumentaram, ao invés de diminuir.”

O escritório de Hawke não respondeu imediatamente aos pedidos de comentários.

A uma semana do torneio

Djokovic, que estava presente na sala de seus advogados para a audiência, não apareceu imediatamente em público ou fez uma declaração após a decisão. O Aberto da Austrália começa em 17 de janeiro.

Kelly disse que anulou a decisão do governo de cancelar o visto de Djokovic porque o jogador não teve tempo suficiente para falar com os organizadores do tênis e advogados para responder completamente depois que ele foi notificado sobre a intenção de cancelar seu visto.

Kelly observou que funcionários do aeroporto de Melbourne fizeram o jogador desligar seu telefone da meia-noite até por volta das 7h42, horário local, quando foi tomada a decisão de cancelar seu visto.

As autoridades também renegaram o acordo de dar a Djokovic até 8h30 para falar com o organizador do torneio Tennis Australia e os advogados, disse o juiz.

Sem vacina

Em vez disso, Djokovic foi acordado por autoridades por volta das 6h, após um breve descanso, e disse que se sentiu pressionado a responder. O jogador, um oponente de longa data da vacinação obrigatória, disse aos oficiais da fronteira que não foi vacinado e tomou COVID-19 duas vezes, de acordo com uma transcrição da entrevista.

Kelly disse antes ao tribunal que parecia que Djokovic havia buscado e recebido a isenção médica exigida da vacinação COVID-19 com base no fato de que ele havia contraído o vírus no mês passado. Ele havia apresentado evidências disso antes de viajar para Melbourne e quando pousou na noite de quarta-feira.

“O que mais esse homem poderia ter feito?” Kelly disse.

A decisão de Kelly não questionou diretamente se a isenção com base em uma infecção nos últimos seis meses era válida, o que o governo contestou.

O CEO da Tennis Australia, Craig Tiley, disse antes que sua organização conversou com funcionários federais e estaduais durante meses para garantir a passagem segura dos jogadores. A Tennis Australia não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Não ficou claro se a decisão afetaria a jogadora tcheca Renata Voracova, que foi detida no mesmo hotel de detenção que Djokovic após ter seu visto revogado após problemas com sua isenção de vacina. Voracova deixou o país na sexta-feira sem questionar seu status, disse o Ministério das Relações Exteriores da República Tcheca.

Furor na Austrália

O caso de Djokovic causou furor na Austrália, onde mais de 90% da população adulta recebe vacinas duplas e a opinião pública tem sido amplamente contra o jogador.

As emoções são particularmente intensas em Melbourne, que experimentou o bloqueio cumulativo mais longo do mundo.

Os casos de COVID-19 no país ultrapassaram 1 milhão na segunda-feira, com mais da metade deles registrados na semana passada, aumentando o número de hospitalizações, sobrecarregando as cadeias de abastecimento e sobrecarregando as instalações de teste.

O ex-primeiro-ministro Kevin Rudd acusou o governo de coalizão de centro-direita do atual líder Scott Morrison de estragar a situação.

“Incompetência total! Se eles realmente não o queriam, por que diabos lhe deram um visto para voar aqui?” Rudd disse. “Isso foi concebido como uma estratégia de distração gigante quando no mundo real as pessoas não podem fazer o teste.”

A saga começou quando Djokovic postou uma foto sua apoiada em sua bagagem no Instagram na última terça-feira, dizendo ao mundo que estava indo para a Austrália competir no Open com isenção de vacinação.

Fotografias publicadas nas redes sociais o mostraram aparecendo em funções públicas na Sérvia nos dias após o teste ser positivo em 16 de dezembro. Não estava claro se Djokovic sabia de seu teste positivo na época.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.