Economia & Negócios

Crédito cresce para famílias, mas recua para empresas

Para economista, os números mostram uma continuidade do quadro que vinha se desenhando nos últimos meses, com um aumento da demanda das pessoas físicas por crédito

23/11/2020


Imagem meramente ilustrativa

Valor Econômico

As concessões diárias de crédito para pessoas físicas cresceram na casa dos dois dígitos em outubro, na comparação com o mesmo período do ano passado, enquanto no caso das pessoas jurídicas o movimento foi inverso, com queda dos empréstimos.

Os dados foram levantados em documentos enviados pelo Banco Central (BC) à comissão mista do Congresso que acompanha as medidas de combate à crise econômica. Os números completos do mercado de crédito referentes a outubro serão divulgados pela autoridade monetária na sexta-feira.

Na comparação com outubro de 2019, a média diária das concessões para pessoas físicas teve alta de 16,39%, para R$ 2,17 bilhões — com expansão em duas das três linhas destacadas pelo BC nos documentos. No caso de pessoas jurídicas, houve recuo de 4,75%, para R$ 3,29 bilhões, com queda em duas das quatro linhas.

Para Isabela Tavares, economista da Tendências Consultoria, os números mostram uma continuidade do quadro que vinha se desenhando nos últimos meses, com um aumento da demanda das pessoas físicas por crédito. Ela destaca que as concessões para a compra de veículos, por exemplo, já estão acima do nível pré-crise — só no mês passado, a alta foi de 15,03%, na comparação com outubro de 2019.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.