Paraíba

COVID-19: Campina Grande inicia neste sábado vacinação para crianças de 5 a 11 anos


14/01/2022

Portal WSCOM



Campina Grande vai iniciar a imunização de crianças de 5 a 11 anos de idade neste sábado, 15, começando pelos grupos prioritários, formados pelas crianças com deficiência permanente e aquelas com autismo, além de todas as crianças atendidas no Centro Especializado em Reabilitação (CER). A ação, que marca o início da vacinação do público infantil, acontece no período da tarde, no próprio CER.

’Vamos receber os imunizantes no final da manhã do sábado e já iniciaremos a ação no período da tarde. A vacina é segura, é um imunizante especial e toda a nossa equipe foi treinada para realizar a aplicação nas crianças. Estamos ansiosos para começar mais essa etapa na campanha de imunização contra covid-19’, disse o secretário de Saúde, médico Gilney Porto.

Para a vacinação deste sábado, não será necessário realizar agendamento. É preciso apenas apresentar laudo comprobatório da doença permanente ou do Transtorno do Espectro Autista (TEA). Após a aplicação da dose, a criança permanecerá 20 minutos em observação no local, conforme indicam as orientações de administração da vacina pediátrica.

A partir da segunda-feira, 17, será iniciada a vacinação de crianças com comorbidades, no Parque da Liberdade. Para este grupo, será exigido o agendamento, que deve ser realizado pelo site vacinacao.campinagrande.pb.gov.br ou pelo aplicativo Vacina Campina.

A Secretaria de Saúde também vai imunizar as crianças de instituições como Instituto dos Cegos e Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE). Outra estratégia adotada durante a campanha será a aplicação das doses nas escolas públicas e privadas.

Recomendações

A vacinação das crianças é facultativa e a decisão cabe aos pais e/ou responsáveis e não é exigida prescrição médica. Diversos órgãos de saúde pública e coletiva, como a Organização Mundial da Saúde, emitiram pareceres recomendando a aplicação da vacina nas crianças de 5 a 11 anos de idade.

 

A vacina pediátrica é especial, tem apenas um terço da dosagem da vacina adulta e é aplicada em duas doses, no intervalo de oito semanas. Os efeitos colaterais são os mesmos registrados em adultos e adolescentes, como dor e inchaço na região da aplicação, febre e mal-estar. Em casos raríssimos de reações adversas, foram registrados episódios de miocardite em adolescentes e adultos vacinados.

 

Apesar dessa possibilidade remota, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avaliou que os benefícios são maiores que os riscos, visto que mais de três mil pessoas nessa faixa etária morreram de covid-19, no país, e que as crianças podem ser vetores de transmissão, já que geralmente são assintomáticas quando infectadas, principalmente diante da nova variante Ômicron.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.