Brasil & Mundo

Como a Páscoa é em outros países? Confira as tradições mundo afora

De árvores de ovos na Alemanha ao Bilby da Austrália, passando por bruxas nos países nórdicos, vai aqui uma ideia da Páscoa em outros países


04/04/2021

Imagem ilustrativa

Estadão



O coelhinho traz os ovos no Brasil e em vários lugares, caso do Chile. Na Austrália, esse trabalho é do Bilby. Já o símbolo desta época na França são os sinos. A Páscoa em outros países do mundo guarda tradições e curiosidades como delícias doces na Europa e a festa para a primavera no Japão.

O artesanato de ovos pintados à mão se mantém na República Tcheca, assim como na Alemanha, onde coloridas árvores de Páscoa na Alemanha enfeitam casas e ruas. No domingo, em várias partes do mundo as crianças brincam de caça aos ovos de chocolate. Tem ainda a Segunda-Feira de Páscoa – Pasquetta na Itália ou Easter Monday no Canadá.

 

Ovos pintados à mão são uma tradição na República Tcheca – Foto: Jan Zalis

 

Entre as procissões com alegorias gigantescas na Guatemala ou a irreverência da Easter Parade de Nova York, são muitos os eventos normalmente realizados nas cidades. Os festejos tiveram de ser suspensos ou encolheram em tamanho, já que precisamos conter a propagação do coronavírus. Para pensar em viagens pós-pandemia na Semana Santa, vai aqui uma ideia da Páscoa em países mundo afora:

Árvore de Páscoa na Alemanha

A Páscoa na Alemanha é uma época cheia de tradições. Eu já estive no país nessa época e passei por diversas cidades (Berlim, Munique, Nuremberg, Stuttgart e Frankfurt). As lojas ganham coelhinhos e ovos na decoração e o chocolate muitos formatos temáticos também. Como ocorre com os mercados de Natal na Alemanha, são montadas feiras de Páscoa. Ainda não sabemos como ficaram esses eventos no pós-pandemia, mas antes eram cerca de 600 mercados pelo país, segundo o Centro de Turismo Alemão.

O mais colorido e diferente costume alemão é a árvore de Páscoa; em alemão, Osterbaum. As casquinhas de ovos pintadas à mão pelas famílias são penduradas nos galhos pelados pelo frio que se despede, em parques e jardins. No Brasil, a população da catarinense Pomerode mantém essa herança trazida pelos imigrantes.

Caça aos ovos nos Estados Unidos, no Canadá e na Inglaterra

Sucesso de Páscoa entre as crianças é fazer uma caça aos ovos. Na Grã-Bretanha, a National Trust organiza trilhas na natureza para a meninada da Inglaterra, do País de Gales e da Irlanda do Norte – no site da organização, para download, há pacotes de brincadeiras de Páscoa para crianças fazerem em casa (em inglês).

Do outro lado do Atlântico, Washington tem a conhecida Easter Egg Roll da Casa Branca, evento que inclui de jogos a apresentações, cancelado pelo segundo ano por causa da covid-19. A White House Historical Association montou atividades online para fazer a caça aos ovos virtual na residência do presidente dos Estados Unidos, quebra-cabeça digital e desenhos para fazer download e colorir, entre outras brincadeiras.

 

Chocolate temático para crianças no Canadá – Foto: Carla Molina

 

A meninada também participa de caças aos ovos em praças na Páscoa do Canadá, organizadas por prefeituras ou centros comunitários. Moradora de Montréal, minha irmã, Carla, comprou ovos temáticos para esconder para os filhos pequenos na Chasse au Trésor de Pâques. Julia, de 10 anos, vai encontrar chocolate em forma de cupcake e Rafael, de 9, arredondados em bolas de diversos esportes. Como o tempo deu uma virada e voltou a cair neve nesta semana da primavera, a brincadeira será interna.

Festa do chocolate em Bariloche e Paris

Diz a tradição de Páscoa na França que os sinos ficam sem tocar de quinta a sábado da Semana Santa porque voam até Roma para serem abençoados. No retorno, eles deixam cair ovos, galinhas, pintinhos e coelhos de chocolate, caçados pelas crianças no domingo. Em Paris, os chocolatiers se superam com lindas criações nesta época do ano.

Existem destinos extremamente ligados ao chocolate, por terem produtores locais e lojas da iguaria. A Páscoa em Gramado reflete bem isso no Brasil, assim como a importância do chocolate em Bariloche, na vizinha Argentina. A data é bem importante no calendário festivo da cidade, com casa do coelho, ovos gigantes nas ruas e uma casa de chocolate para fotos.

 

Chocolate em Bariloche na Páscoa enfeita as ruas – Foto: Turismo de Bariloche

 

Nada de coelho na Austrália e na Nova Zelândia

Coelhos foram levados pelos europeus à Oceânia e atualmente são vistos como peste. Existe até a Rabbit Free Australia, associação criada para lidar com o problema da superpopulação dos animais, o que prejudicar o ecossistema e a agricultura local. Lá, então, quem aparece na Páscoa é o Bilby, pequeno marsupial, mesma família dos cangurus. Marcas de chocolate fazem guloseimas com formato do bichinho, ameaçado de extinção, e revertem dinheiro para um fundo pela sua preservação.

Para livrar dos coelhos as fazendas de Otago, na Nova Zelândia, em torno de 500 caçadores participam todo ano da Great Easter Bunny Hunt. Como a caçada não é realizada desde 2017 (por causa de outro vírus, do risco de incêndio na região e da covid-19), são dois dias em vez de 24 horas de evento em 2021.

Hot cross buns britânicos e delícias portuguesas

A maior tradição britânica à mesa é o hot cross bun, que se estende a antigas colônias como a Nova Zelândia. O pão decorado com uma cruz teve seu consumo proibido pela rainha Elizabeth I, em 1592 – exceto em feriados específicos, como a Sexta-Feira Santa, que marca a crucificação de Cristo. Hoje em dia, são encontrados a partir de fevereiro em mercados. Para quem quiser tentar fazer em casa o pãozinho doce, o Visit Britain tem a receita do hot cross bun em português.

 

Hot Cross Bun, pão britânico de Páscoa – Foto: Lisa Grellmann/Visit Britain

 

A ressurreição é celebrada no Alentejo com ritos e pela liturgia que reafirmam a fé. E não faltam festividades com comidas muito populares na maior região de Portugal, país de maioria cristã. Em Castelo de Vide, a boleima de maçã nasce da junção da fruta às nozes e à canela. A ameixa dá sabor especial à sericaia, orgulho de Elvas. E não há casa em Borba sem o doce dourado, receita à base de amêndoas, pão, gemas e açúcar. Também não pode faltar à mesa o folar, pão típico da Páscoa portuguesa. A carne de cordeiro e os ensopados são protagonistas do almoço de segunda-feira.

Pescados à mesa no Chile e na República Dominicana

No Chile, a celebração tem carácter religioso e da cultura criolla dependendo da região visitada. Eles também comem peixe no fim de semana da Páscoa, como ocorre na República Dominicana. Com influências da cozinha africana, espanhola e francesa, a culinária do país caribenho neste feriado inclui moro de guandules (arroz típico cozido com feijão guandu), grão de bico com espinafre e bacalhau com arroz e banana madura.

Bolo de pintinho e celebrações à primavera no Japão

Data tradicionalmente cristã, a Páscoa vem ganhando espaço no país, como a celebração da chegada da primavera no Japão. A população, de maioria budista ou xintoísta, acrescenta toques orientais à Fukkatsusai (Páscoa em japonês). Ovos de chocolate podem ter sabor de matcha ou ser inspirados nas cerejeiras do Japão. Tradicional da província de Fukuoka, o Meika Hiyoko é um bolinho com recheio de geleia de feijão e forma de pintinho.

 

No Japão, Meika Hiyoko é um bolinho de primavera em forma de pintinho – Foto: Lydiarei/Shutterstock.com

 

Bruxas e histórias macabras nos países nórdicos

As curiosidades em relação à nossa Páscoa são diversas nos países nórdicos. Crianças se fantasiam de bruxas na Finlândia e na Suécia, numa espécie de Halloween fora de época. Páscoa na Noruega é tempo de ler ou ver na TV histórias sobre crimes, chamadas de Påskekrims.

Tradição pagã e cristã na República Tcheca

Um dos pontos de peregrinação mais importantes da República Tcheca é o mosteiro de Velehrad, no norte da República Tcheca. Fundado no século 13, é lugar de celebração das liturgias da Páscoa e da ressurreição. A Páscoa na região de Valašsko (leste do país) é realizada no museu ao ar livre em Rožnov pod Radhoštěm, que mostra como as pessoas viviam no século 19 nessa parte da Morávia Oriental. Inclui feira de artesanato e uma tradição que vem da época pagã, a pomlázka. Na Segunda-Feira de Páscoa, os rapazes dão palmadas simbólicas nas moças com ramos de salgueiro entrelaçados e recebem doces de volta. Antigamente acreditava-se que isso garantia a fertilidade. Embora o significado original tenha desaparecido, a tradição se mantém.

 

Páscoa região tcheca de Valašsko tem vila do século 19 como cenário – Foto: Turismo da República Tcheca

 

Procissões na Guatemala e na Espanha

Entre as celebrações religiosas, procissões com alegorias enormes são vistas na Espanha e também em países colonizados por ela. Com Fernando (meu marido, jornalista também, que faz o Como Viaja comigo), vi isso na Netflix, no documentário Guatemala: Coração do Mundo Maia. Entre as cenas estão a Semana Santa em Antigua, com penitentes que suportam gigantes figuras de Cristo em caminhadas até a igreja. Eles também fazem lá coloridos desenhos no chão, como temos aqui os tapetes de serragem em Minas, na Semana Santa e no Corpus Christ.

Na espanhola Sevilha, a festa é grandiosa, quando cerca de 50 mil pessoas se vestem com capuzes como nazarenos em cerca de 60 procissões, adornadas por imagens barrocas com coroas de ouro e prata. Enquanto seguem pelas ruas, as saetas (cantos flamencos) são cantadas pelas pessoas das janelas.

Católicos na Itália e origem da Páscoa na Turquia

Para católicos, o roteiro a Roma com Vaticano costuma ser um destino certo ao longo do ano inteiro. A época da Páscoa é ainda mais especial pela oportunidade de assistir à Via Crucis e à missa do domingo de Páscoa na Praça de São Pedro. De norte a sul, cidades e vilas de toda a Itália fazem procissões, festivais e representações da Paixão de Cristo.

Outros destinos também guardam marcos importantes para a história da fé cristã. A data que celebra a Páscoa foi definida na Turquia, nação majoritariamente muçulmana. O país foi sede do primeiro Concílio de Nicéia, reunião de bispos realizada a pedido do imperador romano Constantino I, em 325 d.C., na atual cidade de Iznik. Organizado com o objetivo de obter consenso sobre diversas questões entre toda a comunidade cristã, o encontro estabeleceu que a Páscoa fosse comemorada no primeiro domingo depois da primeira lua cheia após a ocorrência do equinócio da primavera (outono, no hemisfério sul).

Ainda de acordo com os ensinamentos cristãos, a pedido de Jesus, a segurança da Virgem Maria foi confiada a São João Evangelista, que a levou para a cidade turca de Éfeso, na costa do Mar Egeu. No início do século 19, escavações na região revelaram restos da casa onde a mãe de Cristo teria morado até seus últimos anos de vida. Hoje, a Casa da Virgem Maria abriga um modesto santuário, onde ocorrem celebrações durante o período da Páscoa. Visitada tanto cristãos quanto muçulmanos, o local tem ainda o Muro dos Pedidos, em que os fiéis depositam preces e mensagens em pedaços de papel ou pano.

 

Casa da Virgem Maria em Éfeso – Foto: Go Türkiye

 

Paixão de Cristo em Pernambuco e na Baviera

No Brasil, a próxima Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, em Pernambuco, está marcada para 2022. Planejados, os alemães adiaram ainda em 2020 a produção em Oberammergau para dois anos depois. A pequena cidade da Baviera encenaria no ano passado o julgamento, a morte e a ressurreição de Cristo. O evento se repete a cada década, diariamente de maio a outubro, com a participação de cerca de 2 mil moradores. Tudo para pagar a promessa feita em 1633 para Deus livrar o povoado de uma praga.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você