Futebol

Com o perfil do técnico, Santos é dominante, letal e se vê perto da fase de grupos da Libertadores

Com dedo do técnico, Peixe neutraliza San Lorenzo e mostra evolução após intertemporada


07/04/2021

Santos abriu o placar com Lucas Braga, logo no início do jogo — Foto: Staff Images/Conmebol

GE



O gol histórico de Ângelo, marcado aos 48 minutos do segundo tempo, fez justiça e deu a merecida vantagem para o Santos pelo que o time mostrou na Argentina.

Depois de três semanas sem entrar em campo, o Santos levou pouquíssimo tempo para provar que o período de inatividade foi muito bem aproveitado pelo técnico Ariel Holan.

Dominante, letal e organizado, o Peixe controlou grande parte do duelo vencido por 3 a 1 contra o San Lorenzo, nesta terça-feira (6), no estádio Nuevo Gasómetro, e ficou mais perto de garantir a vaga na fase de grupos da Libertadores.

O dedo do treinador argentino na montagem da equipe pôde ser percebido logo aos seis minutos, quando Lucas Braga, que ganhou a vaga de Ângelo após as semanas de treinos, fez ótima jogada para abrir o placar.

Nessa jogada, inclusive, a forma que a equipe se portou também pode ser creditada ao trabalho do técnico. Linhas altas, pressão na saída de bola… Foi Luan Peres, praticamente na linha do meio do campo, que interceptou, roubou e passou a bola para Lucas Braga marcar.

Por muitos momentos, os dez jogadores de linha ficaram à frente do meio do campo. Isso tudo num jogo decisivo, de Libertadores, fora de casa, na Argentina… Postura de um time que prioriza a busca pelo ataque, como foi até o fim da partida.

Além de Lucas Braga, eleito o melhor em campo em votação da Conmebol, Kaiky, Luan Peres e Gabriel Pirani foram outros destaques de um time que se portou coletivamente muito bem, apesar dos desfalques de Sandry, Soteldo e Kaio Jorge.

Pirani, citado no parágrafo acima, foi o grande construtor do segundo gol do Santos na partida. O meia, que vem acumulando atuações consistentes nesta temporada (mais uma aposta de Holan), achou um passe espetacular para Marcos Leonardo ser derrubado e sofrer pênalti, posteriormente convertido por Marinho.

Dos 90 minutos de jogo, o Santos controlou e neutralizou o San Lorenzo em pelo menos 75. Nos 15 em que sofreu alguns sustos, uma desatenção de Pará, aliada a uma falha de cobertura na defesa, fez com que o San Lorenzo diminuísse o placar.

A demora de Holan para mexer no time é um ponto – mínimo – a ser destacado. Apenas aos 37 minutos do segundo tempo que o argentino fez a primeira alteração. Apesar de tardia, a mudança deu um gás novo ao Santos.

Mesmo com a vantagem no placar, o time não abdicou de ser ofensivo. Pressionou até o apito final. A persistência não foi em vão. Ângelo, iluminado, fez o terceiro gol do Santos e praticamente encaminhou a vaga na fase de grupos da Libertadores.

O jogo de volta contra o San Lorenzo está marcado para o próximo dia 13, no estádio Mané Garrincha, em Brasília – por causa da pandemia, o estado de São Paulo está proibido de receber jogos.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você