Geral

FEIRAS, CONE, CONEXÕES

10/05/2014


Foto: autor desconhecido.

                  O que você procura de novo? Como isto pode chegar até você? Partindo do princípio singular, qualquer pessoa que procura alguma coisa logo é motivada a sair e buscar no comércio, shoppings, feiras, etc. Ou, acessar a internet e fazer uma busca rápida. A segunda questão é: como o que se deseja poderá ser adquirido e chegar até seu endereço de forma rápida, segura, e com um custo mínimo.

Recentemente estivemos participando da experiência de algumas feiras realizadas pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, líder mundial na organização de eventos. São feiras de logística, carros e motos, e equipamentos para hotelaria. Sim, as feiras são eventos que movimentam em diversas áreas, desde tecnologia, mecânica, transporte, construção civil, móveis, vestuário, beleza, livros, arte e cultura, agricultura, energia, petróleo e gás, e todo tipo de negócio. As feiras reúnem fabricantes, distribuidores, fornecedores, intermediários, consumidores e mídia. As maiores feiras do mundo estão na cidade de Hanover, na Alemanha; e Guangzhou, com a sua Canton Fair, maior feira de produtos da China.

A empresa que participa de uma feira está buscando ali um tipo de relacionamento de negócio especifico, com objetivos claros de marketing. Esta decisão influencia no aumento de sua rede de contatos, promoção de produtos e serviços, e exposição de sua marca no experimento desse tipo de vitrine. A feira é um mercado onde se encontram os concorrentes e os consumidores podendo dispor do que procuram em determinada área, inclusive, de forma atualizada com as tendências de mercado. É um momento onde podem ser realizadas pesquisas, rodada de negócios, lançamento de produtos, entre outras ações como merchandising e venda direta. A feira é uma forma de envolvimento e comunicação, com custo significativo, e que promove de forma ampliada o contato direto com o consumidor atraindo o fechamento de negócio.

Por que as grandes feiras estão superlotando o calendário do Nordeste? Logicamente, no país, a chamada bola da vez é a região Nordeste; onde o desafio conta na agenda um PIB em crescimento nos últimos anos acima da média Brasil. Além disso, a retomada do desenvolvimento, especialmente do Estado de Pernambuco, a partir do complexo portuário de Suape, considerado melhor porto do país e maior polo de investimentos, onde estão sendo instaladas as maiores plantas de indústrias e principalmente empresas internacionais. O foco está ali, na chamada pedra diamante da coroa do reino pernambucano. Estaleiro Atlântico Sul, Refinaria Abreu e Lima, Petroquímica, e muito outras. E mais, a instalação do Cone Sul, um enorme Condomínio de Negócios para armazenamento, escoamento de mercadorias e logística de distribuição.

O Estado de Pernambuco reúne, desta forma, chamando a atenção de empresas do Brasil e do mundo, como oportunidade no mundo dos negócios. É por esta, entre outras razões, que a Reed Exhibitions Alcantara Machado plantou, há dois anos, a sua marca, e vem desenvolvendo diversos eventos com elenco de mais de 1000 expositores, mais de 2000 marcas, e atrai públicos potenciais de incalculável valor. Isso se chama: marketing global.

 

CONE SUAPE – COMO A PRODUÇÃO CHEGA ATÉ VOCÊ… 

{arquivo}

Com aporte inicial de R$ 2 bilhões, e uma área de 18 milhões de m² o CONE – Condomínio de Negócios, assinado pela Conepar Moura Dubeux Engenharia, consolida um empreendimento com uma das maiores plataformas de infraestrutura e competência logística integrada para regiões portuárias. Fica localizado no Cabo, PE, região sul. São seis unidades de negócios: Cone Multimodal, com modais de transporte e logística, Cone Plug&Play com áreas prontas para infraestrutura industrial, ZPE – Zona de Processamento de Exportações integrada com as demais áreas de negócios. Cone Agregados com linha industrial, uma jazida mineral de brita e produtos acabados com base em cimento; Cone ZPA – Zona de Processamento de Aço, e Multicenter, uma ilha de serviços com escritórios empresariais, hotéis, centros de conveniência, serviço, diagnóstico e centro de convenções. O que significa tudo isso?

Justamente, o CONE, também aprovado pela Anelog – Associação Nordestina de Logística; está representado dentro das novas tendências de gestão de economia de negócios com eficiência. Uma alternativa para o cliente corporativo economizar sem se preocupar com gestão e infraestrutura e pessoal, e focar apenas na operação do seu negócio, podendo levar seus produtos e serviços até o cliente final de forma prática e acessível.

O custo do condomínio logístico gira em torno de R$1,95 por m², enquanto a armazenagem isolada pode chegar até R$4,35. Isso significa que estes custos pesam no preço final de produtos, além do transporte e tributos. Com a demanda do país em desenvolvimento, condomínios logísticos como o CONE, onde será implantado o maior CD do Grupo Pão de Açucar, são soluções alternativas mais que necessárias para infraestrutura e sustentabilidade. Ah! Lembrando que, no exemplo do CONE Suape, o projeto vem acompanhado do conceito de eco urbanismo, o que garante estar de acordo com as novas tendências de mercado.

Gil Sabino é jornalista e gestor de marketing.
[email protected]

Leia outros artigos

Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.