Internacional

Chávez tem problemas respiratórios ‘severos’, diz governo venezuelano

Operado


04/01/2013



{arquivo}O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, está sofrendo de insuficiência respiratória como consequência de uma "severa infecção pulmonar", informaram nesta quinta-feira (3) fontes oficiais.

"Após a delicada cirurgia de 11 de dezembro, o comandante Chávez enfrentou complicações como consequência de uma severa infecção pulmonar", disse o ministro de Comunicação venezuelano, Ernesto Villegas, em uma cadeia de rádio e televisão. Ele lia a última atualização oficial sobre a condição do presidente, internado em um hospital em Cuba.

"Esta infecção tem causado uma insuficiência respiratória que requer que o comandante Chávez cumpra rigorosamente o tratamento médico", acrescentou o comunicado, sem dar mais detalhes.

Villegas reiterou a confiança do governo da Venezuela na equipe médica que atende Chávez, "que deu acompanhamento permanente à evolução clínica do paciente e agiu com a mais absoluta rigorosidade perante cada uma das dificuldades apresentadas", disse.

Mais cedo, o vice-presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, haviam dito que Chávez continuava "batalhando" por sua saúde, após voltarem da Venezuela depois de uma visita ao presidente em Havana.

Na última quarta-feira (2), a posição venezuelana havia exigido a "verdade" sobre a saúde de Chávez.
"É essencial que o governo atue de modo que dê confiança. É essencial que diga a verdade", afirmou o secretário executivo da Mesa da Unidade Democrática, Ramón Guillermo Aveledo, taxando de "irresponsabilidade descomunal" a intenção de fazer crer que Chávez estivesse "em exercício de suas funções".

Vice nega transição

A cúpula chavista retornou a Caracas esta quinta-feira, após visitar o presidente em Havana, e negou que haja uma "transição" na Venezuela, acusando a oposição de alimentar boatos sobre a saúde do chefe de Estado a sete dias da posse prevista de Chávez.

"Aqui só há uma transição, começou há pelo menos seis anos, e foi decretada pelo comandante Hugo Chávez", disse o vice-presidente Nicolás Maduro, em alusão à transição ao socialismo, que o presidente pôs em marcha após sua reeleição em 2006.

Maduro também acusou a direita e a mídia internacional de "ter tentado manipular um conjunto de elementos" sobre a relação bilateral com os Estados Unidos, depois de um contrato entre os dois governos, confirmado esta quinta-feira por Washington.

Assegurou, ainda, que a situação está ‘mais unida do que nunca’, desmentindo supostas divisões que existiriam entre ele e Cabello.

Segundo a Constituição, Chávez, reeleito em outubro passado, deve assumir um quarto período de governo em 10 de janeiro perante a Assembleia Nacional, mas seu estado de saúde pode impossibilitar sua presença.

Cabello afirmou na semana passada que a data de 10 de janeiro é adiável e que Chávez poderia assumir seu novo mandato mais adiante, perante o Supremo Tribunal de Justiça.

Na mesma linha, o vice-presidente da Assembleia e membro da direção nacional do PSUV, Aristóbulo Istúriz, avaliou esta quinta-feira que "se o presidente não pode prestar juramento, deve se manter presidente até o momento em que se estabeleçam os mecanismos para o juramento".

Desde que Chávez foi operado em Havana, não foi publicado nenhum boletim médico, e os venezuelanos não viram nenhuma imagem nem escutado sua voz.

A Constituição prevê que se a falta absoluta do presidente for declarada, devem ser celebradas novas eleições em 30 dias.

O prefeito de Caracas, o opositor Antonio Ledezma, propôs esta quinta-feira que seja nomeada uma comissão política e médica, com a participação da oposição, que viaje a Cuba para "constatar em primeira mão a realidade sobre a saúde do presidente".

Antes de viajar a Havana para ser operado, Chávez anunciou que Maduro assumiria a presidência temporariamente caso ele ficasse "incapacitado" e seria o candidato da situação em novas eleições.

O candidato derrotado por Chávez nas presidenciais de outubro, Henrique Capriles, que tinha aceitado um eventual adiamento do juramento de Chávez e seria o mais provável adversário de Maduro nas urnas, afirmou na quarta-feira em mensagem publicada no microblog Twitter que "as respostas à incerteza que o governo gerou estão na Constituição".



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você