Futebol

Ceni, Flamengo e São Paulo: trio tem destinos cruzados mais uma vez em momento decisivo

Técnico do Rubro-Negro e ídolo do Tricolor disputará título brasileiro no Morumbi nesta quinta

23/02/2021


Ceni, técnico do Flamengo, vai reencontrar o São Paulo, onde é ídolo — Foto: ge

GE



Rogério Ceni, Flamengo e São Paulo. Os destinos dos clubes e do ex-goleiro e treinador voltarão a se cruzar nesta quinta-feira, às 21h30, no Morumbi, pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

Em jogo, a disputa do título para o Rubro-Negro, líder com dois pontos de vantagem para o Internacional. O Tricolor, sem chances de levantar o troféu após liderar a competição e chegar a abrir sete pontos na ponta, precisa vencer para se garantir na fase de grupos da Libertadores sem depender de ninguém.

Um bom resultado do São Paulo também pode brecar o que seria a maior conquista da carreira de Ceni como técnico no Morumbi, a depender do confronto entre Internacional e Corinthians.

Por caprichos de um roteiro digno de filme, o futebol volta a reunir frente a frente Rogério Ceni, Flamengo e São Paulo. Justamente no estádio em que o ex-goleiro mais fez história, o Morumbi.

– É inegável, faz parte da minha história. Eu tenho um respeito muito grande pelo São Paulo. Minha primeira parte da vida foi vivida lá. Agora estamos em uma nova fase. Quero reescrever minha história pelo Flamengo. É um time que nos fez sofrer bastante este ano, existiram derrotas doloridas para o São Paulo. Vamos para lá em busca da vitória, sempre com muito respeito – disse Ceni.

Mas essa não será a primeira vez que os destinos de Ceni, Fla e São Paulo se cruzam. Ídolo e recordista como goleiro no São Paulo, Rogério Ceni se aposentou no Morumbi em 2015 e começou a carreira como treinador no próprio Tricolor, em 2017.

Naquele ano, uma derrota do São Paulo para o Flamengo por 2 a 0, na Ilha do Urubu, em julho, foi o último ato da passagem de seis meses do técnico, demitido pelo clube do Morumbi, então ameaçado pelo rebaixamento.

Rogério Ceni, ao fundo, no comando do seu último jogo como técnico do São Paulo, contra o Flamengo, em 2017 — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Rogério Ceni, ao fundo, no comando do seu último jogo como técnico do São Paulo, contra o Flamengo, em 2017 — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

 

Depois disso, Rogério Ceni enfrentou o São Paulo como treinador do Fortaleza e do próprio Flamengo, mas nunca venceu o time onde virou “M1TO” para o torcedor.

Pelo Fortaleza, o técnico foi eliminado pelo São Paulo nos pênaltis nas oitavas de final da Copa do Brasil. A saída para o Flamengo, em novembro, colocou logo na estreia o próprio São Paulo mais uma vez no caminho, pelo mesmo torneio, no Maracanã, pelas quartas de final.

O resultado no confronto também foi igual: Tricolor classificado, após vencer por 2 a 1 (Maracanã) e 3 a 0 (Morumbi).

– Eu vivi uma boa parte da minha história, a primeira parte do livro da minha vida foi escrita no Morumbi. É inegável essa relação. Depois, fui para o Castelão, no Fortaleza, e pude escrever a segunda parte, como treinador. E agora espero escrever no Maracanã. Mesmo não tendo a presença do torcedor do Flamengo, mas espero escrever pelo Flamengo essa história. Seria um orgulho muito grande, uma vitória muito grande na minha trajetória como treinador, e um presente para o torcedor flamenguista por tudo que passou este ano – acrescentou o técnico.

No Rubro-Negro, aliás, Rogério Ceni também sofreu pressão. Ele chegou ao clube sinalizando um retorno à filosofia de jogo dos tempos de Jorge Jesus, mas encontrou dificuldades e acabou eliminado nas duas competições de mata-mata: Copa do Brasil e Libertadores.

O foco somente no Brasileiro deu tempo para Ceni trabalhar, mas os resultados não vieram num primeiro tempo. Na virada de 2020 para 2021, uma sequência de três jogos sem vencer (empate com Fortaleza e derrotas para Fluminense e Ceará) fez com que o treinador fosse contestado.

A diretoria decidiu manter Ceni, e a partir daquele momento o técnico também procurou dar sua cara ao time. Ensaiou e efetivou a ida de Willian Arão para a zaga, com Diego e Gerson como volantes. A partir da vitória sobre o Palmeiras, em Brasília, a equipe cresceu de rendimento e conseguiu se colocar de vez na briga pelo título.

Rogério Ceni e jogadores comemoram gol da virada do Flamengo contra o Internacional — Foto: Marcelo Cortes / CRF

Rogério Ceni e jogadores comemoram gol da virada do Flamengo contra o Internacional — Foto: Marcelo Cortes / CRF



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Recomendamos pra você