Paraíba

Cantinas de escolas paraibanas devem oferecer alimentos saudáveis

Saúde

06/03/2013


 O aumento da obesidade infantil no Brasil é algo que preocupa famílias e o poder público. Induzidos pelas propagandas, pelos sabores e pela facilidade em adquirir alimentos calóricos e pouco nutritivos, cada vez mais crianças estão passando do peso considerado saudável para a sua idade, adquirindo também algumas doenças que antes eram apenas verificadas em adultos. Para evitar que estudantes tenha acesso apenas aos alimentos com altas taxas de gordura, sódio e açúcar nas lanchonestes das escolas, as Promotorias de Defesa da Educação, do Consumidor e da Criança e Adolescente de João Pessoa expediram recomendação conjunta aos diretores das escolas privadas da capital para que nas cantinas seja disponibilizada alimentação saudável e adequada.

A recomendação foi expedida com base na Lei nº 11.947/2009, que determina, no âmbito da alimentação escolar, o emprego da alimentos saudáveis.

A recomendação estabelece ainda que as escolas devem inserir a alimentação saudável como matéria obrigatória no currículo escolar de forma horizontal, incluir nutricionista como profissional responsável pela escolha, forma de acondicionamento e fiscalização dos produtos ofertados nas cantinas das escolas, além de realizar atividades de estímulo à alimentação saudável, segura e adequada, como campanhas, palestras, seminários e oficinas durante o ano letivo.

De acordo com o documento, as cantinas das escolas particulares de João Pessoa comercializam produtos, como refrigerantes, frituras, em completo desacordo com a Lei nº 11.947/2009, causando sérios riscos à saúde dos alunos e, muitas delas, não oferecem a opção de uma alimentação escolar saudável e adequada.

A recomendação foi assinada pelos promotores Priscylla Maroja, Fabiana Lobo, Ana Raquel Beltrão, Glauberto Bezerra e Alley Escorel. Segundo os promotores, o documento foi expedido devido ao aumento da obesidade na infância e adolescência e outras doenças relacionadas aos maus hábitos alimentares.

Conforme os promotores, a escola é espaço de promoção de hábitos saudáveis na promoção da educação alimentar de crianças e adolescentes e as lanchonetes e cantinas são ambientes de comercialização de alimentos em ambiente de educação para saúde de crianças e adolescentes.

Segundo a recomendação, constitui crime contra as relações de consumo vender, ter em depósito para vender ou expor à venda ou, de qualquer forma, entregar matéria-prima ou mercadoria, em condições impróprias ao consumo. A pena determinada no Código de Defesa do Consumidor é de de 2 a 5 anos de detenção ou multa.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.