Cinema

Atriz paraibana Marcélia Cartaxo será homenageada no 28º Festival de Cinema de Vitória


22/06/2022

Marcélia Cartaxo (Foto: Rodrigo Barbosa)

Portal WSCOM



28º Festival de Cinema de Vitória – Reencontro, de 21 a 25 deste mês, tem como homenageada nacional a atriz paraibana Marcélia Cartaxo. O festival tem lugar no Centro Cultural Sesc Glória, no Hotel Senac Ilha do Boi e no Cine Metrópolis (UFES) e marca a volta ao formato presencial de um dos mais tradicionais festivais do cinema brasileiro e um dos mais expressivos eventos culturais do Espírito Santo. A homenagem acontece na noite desta quinta-feira, dia 23, no Sesc Glória.

Depois de dois anos acontecendo em diversas telas, o festival retorna com uma edição especial, que apresenta um desdobramento da primeira parte do evento, realizada on-line em novembro de 2021. Na programação, os filmes exibidos nas mostras competitivas e premiados com o Troféu Vitória, a pré-estreia de longas-metragens, três sessões especiais com filmes convidados, o lançamento da edição física do Cadernos da Homenageada Nacional: Marcélia Cartaxo e do Caderno da Homenageada Capixaba: Margarete Taqueti, além de oitos oficinas com foco nas diversas etapas da produção audiovisual.

“A imagem de Marcélia mais vaga que me vem à mente é a da garota franzina, branquinha e olhar curioso, à janela da sua casa, na parte mais elevada da rua Higino Rolim, próxima do açude, o nosso mar, em Cajazeiras, Sertão da Paraíba.”, relembra o cineasta Bertrand Lira, amigo de infância da atriz. Sua carta de alforria veio a conta-gotas, quando começou a brincar de “drama” no quintal do vizinho Eliezer Rolim.

Fazia parte da trupe infantil, além do próprio Eliezer Rolim, mentor da artimanha, Soia, Nanego e Paula Lira (irmãos de Bertrand Lira), Suedi, Lincoln, as irmãs Wilma e Wildenir, os irmãos Lucilda, Luciene, e Leidson Feitosa, entre outras crianças das ruas próximas. O grupo de teatro, que foi de início batizado de Mickey, fazia pequenas apresentações no formato de esquetes, primeiro na rua Higino Rolim e depois em escolas e noutros espaços da cidade. Com o “amadurecimento” dos seus integrantes (da infância à adolescência), passou a se chamar Grupo Terra de Teatro, criando textos com temas mais adultos.

Beiço de Estrada, a segunda montagem do grupo nessa nova fase – a primeira foi Os pirralhos, que traz Marcélia como Véu de Noiva, a menina tímida e ingênua, reservada para o casamento pela mãe, dona de uma cabaré, para fugir do destino de se tornar prostituta como as demais irmãs. Com Os pirralhos, o grupo participou de circuitos estaduais de teatro na Paraíba a partir de uma visita à Cajazeiras do ator, também paraibano, Luiz Carlos Vasconcelos, que se encantou com a maturidade artística dos “meninos”. A hora da estrela de Marcélia aconteceu com Beiço de Estrada.

Foi em 1984, pelas mãos de Luiz Carlos, que o grupo chegou ao Circuito Mambembão de Teatro encantando e comovendo o Sudeste e Sul do país. Numa das apresentações, a então aspirante à diretora Susana Amaral estava na plateia e ficou fascinada com a atuação de Marcélia. A personagem Véu de Noiva tinha muito da desafortunada Macabéa de A Hora da Estrela, do romance de Clarice Lispector. Ficou o convite para um teste que aconteceria um ano depois. Lá vai a menina tímida e assustada para o estrelato. O orçamento para o longa era tão pequeno que Marcélia penou dois dias de viagem de ônibus de Cajazeiras a São Paulo, quase uma travessia pelo país. Os testes antecederam imediatamente as filmagens e Marcélia não retornou à Paraíba.

Marcélia Cartaxo virou Macabéa, Macabéa virou Marcélia. Impossível não ver o rosto de Marcélia ao ler as desventuras da protagonista na obra-prima de Clarice Lispector. Vieram as aclamações nos festivais de cinema de Brasília (1985) e Berlim (1986). Marcélia se torna a primeira brasileira a trazer o troféu de Melhor Atriz (aqui, o Urso de Prata) de um grande festival estrangeiro. Foram anos no Rio de Janeiro, sozinha e muitas vezes esquecida, com grandes dificuldades para sobreviver, aceitando papeis ínfimos em novelas, muito abaixo do seu grande talento.

Vivíamos numa época em que para atriz e ator era uma condição essencial viver no Sudeste do país, se quisessem um lugar ao sol. Nas últimas duas décadas, os atores e atrizes paraibanos mais requisitados para a televisão e o cinema não precisam mais deixar sua terra. E Marcélia se beneficiou dessa mudança: se estabeleceu na cidade que ama ao lado da família e amigos. Os irmãos Marcelo e Marcel, a irmã (Márcia) e os sobrinhos continuam vivendo em Cajazeiras. Nos últimos cinco anos, Marcélia amargou a perda dos pais (Dona Elza e Seu Zé Cartaxo), além da irmã Mércia, com quem dividia sua casa, na capital paraibana, e do irmão Marcelo.

O filme Pacarrete (2019), de Allan Deberton, traz Marcélia no papel da protagonista que dá nome ao filme e tem Soia Lira como Maria, sua empregada doméstica. Coincidentemente, Deberton terminou por “documentar” um retrato da relação das duas atrizes na vida real. Marcélia recebeu o prêmio de Melhor atriz por encarnar Pacarrete e Soia o de Melhor Atriz Coadjuvante pela personagem Maria no 49º Festival de Cinema de Gramado de 2019.

Para quem acreditava que Marcélia Cartaxo estaria colada eternamente à ingênua Macabéa, sua maior performance como atriz até então, percebeu que o talento de cajazeirense é muito maior do que interpretar uma personagem com um physique de rôle semelhante ao seu e com uma história que tem muita coisa em comum com a sofrida jornada de Macabéa. Para Bertrand Lira, a Pacarrete de Deberton veio provar que Marcélia é uma gigante ao encarnar uma bailarina idosa lutando pelo direito de levar a sua arte ao público de sua cidade natal. “Marcélia agora não é apenas Macabéa, é também Pacarrete eternizadas pelo poder mágico do cinema.”, conclui o cineasta e professor.

 



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.