Política

Após sessão tumultuada Francisca e Lenildo são empossados em Patos

01/01/2013


A prefeita Francisca Motta e Lenildo prestaram juramento. Francisca usou a tribuna e falou que seu governo será voltado para o futuro, que a partir de agora não haverá partidarismo e que será prefeita para todos os cidadãos, independente de cor partidária.

Francisca explicou que dará grande destaque à saúde. Pediu apoio de todos, inclusive da imprensa patoense. Sobre nomes que comporão ainda seu governo, disse que irá anunciá-los nos próximos dias. O ex-prefeito Nabor Wanderley pode ser um deles, já que no gabinete, na passagem de cargo ocorrida no início desta tarde, Francisca enfatizou que precisará muito da ajuda dele, e que este não ficará de braços cruzados.

A nova prefeita de Patos deve promover demissões de contratados nos próximos dias, atendendo determinações do Tribunal de Contas. “Tudo que a Justiça determina temos que colocar em prática. Depois a gente vai adequando”, explicou. Sobre a desistência de Marcos Eduardo para a STTRans, disse que vai dialogar com ele, mas que o momento era de comemorar a vitória de Nadir, que foi secretária adjunta da Saúde no governo Nabor.

Nabor Wanderley, cujo nome está sendo ventilado para o cargo de deputado estadual em 2014, disse que deixa a administração municipal em ordem e que acredita bastante no trabalho de Francisca. Comentou que os maiores desafios dela será com a saúde, esgotamento sanitário e maior estrutura nos bairros, como calçamentos. Enfatizou que deixa mais de R$ 35 milhões empenhados para continuidade de obras, a exemplo da Alça sudeste, que deverá ser inaugurada nos próximo dois meses; dinheiro para canal do Frango, canal do São Sebastião, construção de dez unidades de saúde; de um CREAS; para um Centro de Referência de Assistência à Mulher, dentre outras.

Nabor deverá ser elo entre a prefeita Francisca e o deputado federal Hugo Motta, levando os pleitos municipais para que ele tente agilizar os projetos.

O ex-prefeito também avaliou o governo Ricardo Coutinho. Disse que o governador vem tomando um rumo de obras importantes para a cidade de Patos, mas que não concorda do tratamento dado por RC às pessoas. “Seu governo precisa ser mais humano, cuidar mais das pessoas. Veja a quantidade de pessoas que estão morrendo no Hospital Regional de Patos, algo que está sendo abafado”, comentou.

Nabor reconheceu as falhas do PSF em Patos, algo que eleva no número de atendimentos ambulatoriais no Regional, que possui uma média de 6 mil atendimentos/mês que deveriam ser procedimentos das unidades de saúde. Mas afirmou que o problema deverá ser solucionado com a abertura das UPAS, a do Campo da Liga e a do Jatobá.
 


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.