Brasil

Após enchentes no Rio Grande do Sul, Governo Lula avalia distribuição de vouchers para famílias afetadas pela tragédia

Governo Lula estuda distribuir vouchers às famílias atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul


11/05/2024

Renan Filho, Paulo Pimenta, Lula e Rui Costa (Foto: Mauricio Tonetto/Secom)

Brasil 247



O governo Lula (PT) debate a implementação de um sistema de vouchers para auxiliar as famílias afetadas pela recente tragédia das enchentes no estado do Rio Grande do Sul. A proposta visa possibilitar que essas famílias possam substituir móveis e eletrodomésticos perdidos durante o desastre, segundo a Folha de S. Paulo. O valor e a abrangência desse auxílio estão atualmente em discussão, sendo que uma reunião entre representantes do Ministério da Fazenda e do Palácio do Planalto está agendada para a próxima segunda-feira (13), para tratar do assunto.

De acordo com especialistas do governo, a ideia principal é conceder um pagamento único por família, visando facilitar a aquisição de itens essenciais, como geladeira, fogão, entre outros, que foram danificados ou levados pelas águas das enchentes. Inicialmente, havia a intenção da equipe econômica de lançar uma linha de crédito para esse fim. Contudo, considerações técnicas levantaram a possibilidade de que o modelo de vouchers possa ser mais economicamente viável. Essa decisão se baseia na análise de que, mesmo que haja recursos para subsidiar os financiamentos, o custo de operacionalização seria significativo, especialmente considerando o risco de crédito envolvido, dado o impacto da tragédia nas finanças e no patrimônio das famílias afetadas. Ao invés de subsidiar os juros cobrados pelas instituições financeiras para viabilizar os financiamentos, parte do governo considera mais adequado realizar o pagamento direto aos beneficiários.

A viabilidade e o custo desse programa estarão diretamente relacionados ao número de famílias contempladas, uma variável sujeita a incertezas. No entanto, dados do Cadastro Único de programas sociais indicam que há 938,3 mil famílias de baixa renda no Rio Grande do Sul, das quais 628,9 mil estão em situação de pobreza. Dada a complexidade da situação, a avaliação preliminar sugere a necessidade de estabelecer um novo cadastro, mais abrangente que o do Bolsa Família, para identificar os beneficiários. Isso implicaria em uma colaboração entre o Ministério do Desenvolvimento e Assistência Social, a Caixa Econômica Federal e as prefeituras.

Entre os desafios destacados está a necessidade de evitar a fragmentação artificial de famílias em busca de maiores benefícios, assim como garantir a capacidade operacional para montar o cadastro, especialmente considerando as dificuldades enfrentadas em regiões ainda alagadas.

O presidente Lula prometeu na quinta-feira (9) anunciar novas ações voltadas para as famílias gaúchas na próxima terça-feira (14).


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
// //