Paraíba

Alto do Mateus: Maísa Cartaxo escuta reivindicações de moradoras

João Pessoa

18/04/2013


 A Unidade de Inclusão Produtiva em Vestuário, localizada no bairro do Alto do Mateus, recebeu, nesta quinta-feira, 18, a visita da primeira-dama de João Pessoa, Maísa Cartaxo. A unidade é coordenada pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Sedes), e na oportunidade, a primeira-dama esteve com algumas moradoras da localidade, acolhendo as demandas e avaliando a possibilidade de transformar as necessidades elencadas em políticas públicas efetivas.

Na ocasião, Maísa Cartaxo ressaltou a importância de visitar e conhecer de perto todos os equipamentos que auxiliam na melhoria da qualidade de vida da população pessoense. Segundo ela, é preciso dialogar com a população, pois a comunidade é quem mais tem propriedade para listar e priorizar suas demandas e necessidades.

“Esta conversa com alunas e professoras que praticam a economia solidária na Unidade Produtiva em Vestuário no Alto do Mateus, nos mostrou exatamente onde devemos atuar, nos deu um norte. Para isso, vamos levar ao prefeito as demandas que coletamos aqui. Estou à disposição da Prefeitura para atuar junto às comunidades e organizar reuniões onde escutamos as propostas e as levamos adiante. Foi gratificante ouvir sobre o trabalho das mulheres da Unidade. É um trabalho belíssimo, que emociona, que acolhe jovens e idosos e não pensa no lucro, mas nas pessoas”, destacou Maísa Cartaxo.

Economia solidária

A visita de cortesia também teve o objetivo de monitorar os equipamentos públicos mantidos pela PMJP e mapear as necessidades da população pessoense.

A diretora de Economia Solidária e Segurança Alimentar e Nutrição da Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), Lúcia Silva, acompanhou a primeira-dama e vê nas visitas a oportunidade de fortalecer atividades que já são desenvolvidas pela Prefeitura. “Nós da Sedes achamos importante acompanhar esta visita porque temos atuação direta nessas comunidades. É importante ouvir o que a população sente mais falta, para que possamos ampliar os serviços”, afirmou Lúcia Silva.

A costureira e usuária dos cursos da Unidade Inclusão Produtiva em Vestuário, Severina Francisca da Costa, destacou a importância do curso em sua vida. “Não terminei os estudos e cheguei aqui sem esperanças, mas agora, depois de aprender a costurar, já posso ajudar na renda da família. Não queremos caridade, mas oportunidades”, afirmou.


Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.