Paraíba

Caso Braiscompany: advogado de vítimas aponta ‘frustração’ após Antônio Ais ir a prisão domiciliar e quer extradição


21/05/2024

Da Redação / Portal WSCOM

O advogado Artêmio Picanço, representante de vítimas do golpe bilionário perpetrado pela Braiscompany, expressou sua ‘frustração’ em relação à decisão da Justiça Argentina de converter a prisão de Antônio Inácio da Silva Neto em prisão domiciliar.

Siga o canal do WSCOM no Whatsapp.

Ele criticou a medida e apontou expectativa de que Antônio e sua esposa, Fabrícia Farias – também sócia da empresa – sejam extraditados para cumprir pena no Brasil.

“É frustrante, é um dia em que você fica desacreditado do que está construindo. Seguimos com a esperança da extradição, todos os requisitos para a prisão no Brasil já estão estabelecidos”, afirmou Artêmio à 98fm.

Ele também explicou que o prazo para a extradição do casal, que pode durar até 6 meses, ainda está em andamento: “Não há um prazo específico, mas ainda está dentro do prazo. Estimamos de 3 a 6 meses, considerando o caso do Victor Hugo, que está detido no Serrotão. A prisão ocorreu em 29 de fevereiro, então são pouco mais de 50 dias”.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
// //