Paraíba

Advogado de defesa do ex-governador Ricardo Coutinho diz que nova denúncia atesta “parcialidade” do Ministério Público

Segundo ele, "a recente denúncia do Ministério Público não possui novidades, trazendo mais uma vez em ação autônoma supostas condutas que já foram narradas no processo em tramitação no Tribunal de Justiça da Paraíba em janeiro deste ano".

05/06/2020


Na imagem o advogado advogado Eduardo de Araújo Cavalcanti

Por Walter Santos

O advogado Eduardo de Araújo Cavalcanti, que faz parte da defesa do ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, no caso dos processos derivados da Operação Calvário, revelou em nota enviada ao Portal WSCOM que a nova denúncia apresentada contra ele atesta que o “Ministério Público age com parcialidade” e que a defesa insistirá em combater a Lawfare (guerra jurídica) e assegurar suas garantias constitucionais.

Segundo ele, “a recente denúncia do Ministério Público não possui novidades, trazendo mais uma vez em ação autônoma supostas condutas que já foram narradas no processo em tramitação no Tribunal de Justiça da Paraíba em janeiro deste ano”.

Conforme argumentou, “a peça tem amparo em delações premiadas de pessoas que estavam presas, o que por si só fulmina a voluntariedade da manifestação da vontade exigida pela lei e retira a credibilidade de tais depoimentos”.

E acrescentou:

“O bombardeio acusatório a que vem sendo submetido o ex-governador nada mais é do que uma tentativa de criminalizar atos de gestão, ou seja, é a criminalização da própria política’.

Por fim, declarou: “O Ministério Público age com parcialidade, pois é parte acusatória, cabendo à defesa exercer a função de fiscal da lei, combater o lawfare e lutar pela efetivação das garantias e princípios consagrados na Constituição Federal”.


Em respeito a Legislação Eleitoral, os comentários estão temporariamente suspensos.