Internacional

A 8 dias da eleição nos EUA, quase 60 milhões já votaram antecipadamente

40 milhões votaram pelo correio e 19,4 milhões, presencialmente, aponta levantamento da Universidade da Florida.

26/10/2020


Eleitores americanos fazem fila para votar antecipadamente no Brooklyn, em Nova York, no sábado (24) — Foto: Jeenah Moon/Reuters

G1

A oito dias da eleição presidencial nos Estados Unidos, 59,4 milhões de americanos já votaram antecipadamente. Segundo o Projeto Eleições, da Universidade da Flórida, 40 milhões votaram pelo correio e 19,4 milhões, presencialmente.

O número equivale a 43,1% de todos os votos da eleição de 2016, quando o então candidato republicano, Donald Trump, derrotou a democrata Hillary Clinton.

Com o alto número de votos antecipados, especialistas preveem que um recorde de 150 milhões de votos pode ser batido e a taxa de participação na eleição pode ser a maior desde 1908.

Uma das pessoas a votar antecipadamente foi o presidente dos EUA e candidato à reeleição, Donald Trump. O republicano votou na manhã de sábado (24) em uma biblioteca em West Palm Beach, na Flórida.

A votação antecipada no estado, que é um dos mais importantes na eleição americana, começou há uma semana, no dia 19. A data oficial do pleito é 3 de novembro.

Também no sábado, a cidade de Nova York registrou longas filas no primeiro dia de votação antecipada. Eleitores esperaram horas para votar e imagens de filas gigantescas foram registradas em diversos pontos.

Diferentemente do Brasil, o voto não é obrigatório nos Estados Unidos. Os eleitores podem escolher seu candidato antes da data oficial da eleição, inclusive enviando o voto pelo correio.

Como funciona a eleição nos EUA

A eleição presidencial nos EUA funciona de maneira bastante peculiar e é definida pelo Colégio Eleitoral, no qual cada estado ganha um peso, de acordo com o tamanho de sua população, e não necessariamente ganha quem recebe mais votos.

O pequeno Vermont, por exemplo, tem apenas três delegados, enquanto a Califórnia, o estado mais populoso, tem 55. A votação estadual funciona no sistema apelidado de “o vencedor leva tudo”: o candidato a presidente que vencer em cada estado conquista o direito a todos os votos dos delegados, mesmo se a vitória for por uma margem pequena.

Assim, o candidato precisa de uma estratégia para vencer de estado em estado até chegar ao mínimo de 270 votos do Colégio Eleitoral e eleger-se presidente. Foi o que aconteceu em 2016: Trump teve menos votos que Hillary, mas conquistou 276 delegados e venceu a eleição.

É por isso que, por mais que o democrata Joe Biden apareça à frente de Trump em todas as pesquisas, é possível que Trump consiga se reeleger mesmo perdendo novamente no total de votos nas urnas.


Em respeito a Legislação Eleitoral, os comentários estão temporariamente suspensos.