Saúde

Vacinas pediátricas ficam presas em aeroporto por problemas no transporte e secretário teme por conservação das doses


14/01/2022

Redação/Portal WSCOM



O primeiro lote de vacinas Cominarty da Pfizer/BioNTech contra a Covid-19 para crianças de 5 a 11 anos chegou à nesta sexta-feira (14). No entanto, os imunizantes ficaram retidos no setor de cargas do Aeroporto Castro Pinto porque a empresa contratada pelo Governo Federal para fazer o transporte até a rede de frios da Secretaria Estadual de Saúde, ainda não realizou a condução das doses.

De acordo com o secretário Geraldo Medeiros, a SES-PB não pode realizar o transporte, pois não tem autorização do Ministério da Saúde. Segundo o gestor, apenas a empresa contratada pelo Governo Federal através da companhia aérea tem permissão para fazer a entrega das doses ao Estado.

“A empresa contratada pelo Governo Federal para fazer a remoção das doses do Castro Pinto para a rede de frios da Secretaria Estadual de Saúde não se fez presente no aeroporto e as vacinas estão lá. Não há como o Estado transportar essas vacinas, uma vez que a Latam não permite, pois a empresa transportadora contratada pelo Ministério da Saúde é a IBL”, disse o secretário à rádio Arapuan FM.

Geraldo Medeiros disse ainda que está preocupado com a conservação das vacinas, tendo em vista que elas precisam ser mantidas em baixas temperaturas para preservar sua qualidade. “Nós estamos apreensivos em relação à conservação dessas vacinas”, concluiu.

No total, foram recebidas 23.600 doses da Pfizer destinadas à população de crianças entre 5 e 11 anos, que é estimada em mais de 300 mil. A distribuição das doses para os municípios, de acordo com a SES, começa às 7h do sábado (15).



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.