menu

Política

16/10/2019


Após Operação Famintos, prefeito cria Controladoria em Campina Grande

O prefeito Romero Rodrigues sancionou, na tarde desta quarta-feira, 16,  a lei que cria a Controladoria Geral do Município na estrutura do primeiro escalão da Prefeitura de Campina Grande. O Projeto de Lei Complementar foi iniciativa do Poder  Executivo e encaminhado à Câmara Municipal e aprovado. A publicação da nova lei ocorrerá na próxima edição do Semanário Oficial do Município.

A criação ocorre após a deflagração das investigações da Operação Famintos, iniciadas a partir de representação junto ao MPF, relatando a ocorrência de irregularidades em licitações na Prefeitura mediante a contratação de empresas “de fachada”.

Com o aprofundamento dos trabalhos pelos órgãos, constatou-se que desde 2013 ocorreram contratos sucessivos, que atingiram um montante pago de R$ 25 milhões. Dois secretários municipais (Administração e Educação) foram afastados pela Justiça.  
 
Romero Rodrigues sancionou a lei  acompanhado dos vereadores Nelson Gomes e Alcindor Vilarim, além da advogada Alana Carvalho, da Procuradoria Geral do Município. O anúncio dos nomes que ocuparão os cargos de controlador geral do Município e do adjunto será divulgado nos próximos dias. 
 
Os dois novos auxiliares pertencem aos quadros da Controladoria Geral da União, são servidores de carreira e espera-se tão somente, à essa altura, o cumprimento das formalidades de autorização superior do órgão em Brasília para que assumam seus cargos na Prefeitura de Campina Grande. 

A estrutura – 
Com uma estrutura bastante enxuta, a CGM em Campina Grande disporá do seguinte organograma básico:

  
I – Gabinete do Controlador Geral;
 
II – Gabinete do Controlador Adjunto;
 
III – Chefia de Gabinete do Controlador Geral;
 
IV – Assessoria Jurídica;
 
V – Assessoria Técnica;
 
VI – Diretoria Administrativa-financeira
 
VII – Coordenação de Auditoria
 
VII – Auditoria Interna

_

Portal WSCOM