Justiça

Lei que restringe “saidinha de presos”; especialista analisa as mudanças


15/04/2024

Da Redação



O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou com vetos a lei aprovada pelo Congresso para restringir a chamada “saidinha” dos presos em regime semiaberto, que têm o direito de cinco saídas anuais, incluindo para visita a familiares. No último dia do prazo, Lula decidiu vetar o dispositivo que excluía a visita a familiares como um dos motivos para a saída temporária de presos. Também foi vetado o trecho que acabava com a possibilidade de saída para atividades de ressocialização. O advogado criminalista Rafael Caldeira analisa essas mudanças:

Com a nova lei:

* mantém a saída temporária em datas comemorativas para presos do semiaberto, como Dia das Mães e Natal, além da liberação para estudar e trabalhar, dependendo de autorização do juízo de execução penal;
* proíbe as saidinhas para condenados por crimes com violência ou grave ameaça, além dos condenados por crime hediondo;
* mantém a obrigação dos detentos passarem por exame criminológico para progressão de regime

A Lei nº 14.843, de 11 de abril de 2024, apresentou um recrudescimento na matéria de execução penal no Brasil. Para obter direito à saída temporária, o preso precisa estar no regime semiaberto, não ter sido condenado por crime hediondo ou que tenha envolvido violência ou grave ameaça.

A saída deve estar atrelada a curso profissionalizante ou de instrução de ensino médio ou superior, apenas durante o tempo necessário para o cumprimento das atividades discentes.

A Lei também revogou a parte que autoriza a saída temporária para visita à família, mas essa parte foi vetada pelo Presidente da República. O veto pode ser derrubado pelo Congresso.

Além disso, ampliou as hipóteses de uso da tornozeleira eletrônica para livramento condicional e progressão de regime e acrescentou um pré-requisito para a própria progressão, que é a realização de exame criminológico.

ANÁLISE DESSA LEI

Inicialmente, devemos levar em consideração que o cumprimento de pena no Brasil possui o ideal de ressocializar o indivíduo que transgrediu as normas de convívio social, com a sua reinserção gradual na sociedade. Tal entendimento é baseado nos princípios da Constituição Federal e em tratados internacionais que foram assinados pelo país.

A Lei não extingue a saída temporária, mas restringe a hipótese de concessão, retira a previsão de quantas vezes pode ser solicitada e dificulta a progressão de regime.

De acordo com os dados divulgados pelas secretarias penitenciárias de alguns estados, é possível inferir que a quantidade de pessoas que não retornam aos estabelecimentos prisionais ou cometem crimes é baixa.

PENALIDADES DO DESCUMPRIMENTO

A pessoa beneficiada com a saída temporária que descumprir as regras estabelecidas pode ter o benefício revogado e regredir para o regime mais gravoso, para além de responder a um novo processo criminal em caso de cometimento de crime, com possibilidade de nova condenação e soma de penas ao final.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
// //