Paraíba

Bruno Cunha Lima não dialoga com categoria e professores aprovam indicativo de greve e ato público em Campina Grande

Há um temor generalizado na categoria de que a gestão não cumpra a Lei do Piso, ao contrário do que vem acontecendo nas cidades onde o Sintab atua.


08/02/2023



 

 

Professores e professoras do município de Campina Grande aprovaram nesta terça-feira (7) indicativo de greve para o dia 1º de março. A decisão foi tomada durante reunião do Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais do Agreste e da Borborema (Sintab). Os servidores do magistério alegam que a gestão municipal não dialoga com a categoria, que pede reajuste integral do piso em 14,95%. Além do indicativo de greve, os professores convocaram ato público para a próxima segunda-feira (13) em frente a Secretária de Educação para cobrar o reajuste do piso.

O atual presidente do Sintab Franklyn Barbosa destacou na Assembleia que, embora o Ministério da Educação (MEC) já tenha anunciado o reajuste do Piso, nem a Prefeitura de Campina Grande (PMCG), nem a Secretaria de Educação (SEDUC) se pronunciaram a respeito. “Queremos dialogar, mas o governo ainda não recebeu o sindicato para conversar e resolver esse problema. Se não nos der outra alternativa, iremos paralisar as atividades”, disse Franklyn.

Há um temor generalizado na categoria de que a gestão não cumpra a Lei do Piso, ao contrário do que vem acontecendo nas cidades onde o Sintab atua, em João Pessoa e até mesmo no Estado, onde o reajuste de 14,95% já foi anunciado pelas gestões municipais e estadual. A direção do Sintab tem enviado ofícios para que a prefeitura se manifeste, mas não obteve nenhuma resposta até o momento. O Sintab também cobra retroativo para o mês de janeiro e fevereiro.

Napoleão Maracajá, vice-presidente, disse que, durante esse período de indicativo de greve, a direção do Sintab irá fazer visitas aos postos de trabalho com o objetivo de esclarecer a situação, angariar apoio entre a categoria e fortalecer a luta. “É assustador que até essa data a prefeitura não tenha uma manifestação sobre o reajuste do piso. É um fato grave e inédito para a história de Campina. Há um sentimento de revolta com esse governo”, disse ele.

Na ocasião, a Assembleia tratou também de outros pontos de pauta, como a escolha de servidores para compor a representação da categoria no Conselho de Alimentação Escolar (Tereza Medeiros, titular; e Angela Barboza, suplente) e no Conselho Municipal de Educação (Socorro Ramalho, titular; Fany Sousa, suplente).

Sobre a gratificação Soninho, a informação é que só será concedida em março; a gratificação dos diretores que não receberam, não houve resposta da gestão; sobre as denúncias de transferências arbitrárias, é uma decisão que não passa pela SEDUC; e a respeito das jornadas ampliadas, não atinge os efetivos.

A direção do Sintab ressaltou que, de toda forma, se qualquer servidor estiver se sentido prejudicado nessas pautas, basta procurar o sindicato que as providencias serão tomadas. Para mais informações, entre em contato com o Sintab através do fone (83) 3341-3178 ou por meio das redes sociais no Instagram e Facebook.



Os comentários a seguir são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
// //